terça-feira, 25 de julho de 2017

O brasileiro, cada vez mais pessimista


O otimismo com o Brasil Novo por parte do brasileiro comum é coisa do passado. Hoje, apenas os meios de comunicação e os apoiadores do golpe - empresários, banqueiros, ruralistas, políticos corruptos, integrantes do governo et caterva - fazem de conta que tudo está bem e vai melhorar ainda mais. 

O Brasil real, como não poderia deixar de ser, está pessimista, como aponta pesquisa da Fundação Getulio Vargas - a confiança do consumidor voltou a recuar em julho, consolidando a tendência de queda já apurada no mês passado, diante do quadro de instabilidade política.


O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da FGV registrou queda de 0,3 ponto em julho e foi a 82 pontos. No mês anterior, o indicador já havia recuado 1,9 ponto.

Segundo a FGV, o recuo do ICC em julho foi influenciado pela piora das perspectivas em relação à economia com a crise política que atinge o presidente Michel Temer, que já desembocou em denúncia por crime de corrupção passiva contra ele.

O indicador que mede as perspectivas econômicas recuou 2,2 pontos na comparação com o mês anterior, para 106,9 pontos, o menor nível desde dezembro de 2016 (102,2 pontos).

"Enquanto a incerteza estiver elevada, o consumidor deverá permanecer cauteloso na hora de assumir novos gastos de consumo", informou a coordenadora da Sondagem do Consumidor, Viviane Seda Bittencourt.

Em julho, o Índice da Situação Atual (ISA) registrou queda de 0,4 ponto, ao passar para 69,7 pontos, e o Índice de Expectativas (IE) caiu 0,3 ponto, para 91,4 pontos, o que sinaliza, segundo a FGV, aumento do pessimismo com relação à recuperação econômica.

A crise política afetou todos os índices de confiança apurados pela FGV em junho. Além da piora na pesquisa do consumidor, as confianças do comércio, da indústria e do setor de serviços recuaram no mês passado. A expectativa de analistas é de que a inflação mais branda e o ciclo de queda de juros possam ajudar a evitar maior deterioração nos índices ao longo dos próximos meses.

Nenhum comentário:

Postar um comentário