Pular para o conteúdo principal

A nossa ordem e o nosso progresso


As instituições estão funcionando normalmente.

É o que dizem diversas autoridades.

E funcionam, sim.

Funcionam tão bem que a maior parte de seus integrantes forma uma casta de privilegiados, para a qual a crise econômica que teima em não ir embora faz cócegas - se muito.


Os três Poderes, por exemplo, vão muito bem, obrigado.

O Executivo, ocupado por um bando de políticos da mais baixa extração, que tomaram o poder devido a um golpe, no novo estilo que dispensa a força militar, se não está firme e forte, ao menos se aguenta, no alto de seus 2% de aprovação.

O Legislativo, esse circo de horrores, faz seus negócios impunemente, mercadejando abertamente apoios às mais abjetas propostas, que levarão o país à Idade Média.

Deputados, estaduais e federais, e senadores engordam de felicidade; vereadores, pelo Brasil todo, estão exultantes com o pouco que fazem - e o muito que ganham para tal.

O Judiciário, então, funciona que é coisa de louco.

Meses e mais meses de férias, benesses, auxílios de todos os tipos, impunidade total para eventuais escorregões, malfeitos ou traquinagens.

E é claro, o tratamento preferencial, seja onde for, as mesuras e os rapapés que inevitavelmente acompanham o "pois, não doutor."

E há ainda o irmão siamês do Judiciário, esse incrível Ministério Público, que vem se fortalecendo a cada dia, a cada dia se tornando o real poder da nação, repleto de valentes cruzados em prol da moralidade, ética e bons costumes.

Abaixo a corrupção! - bradam nas palestras que fazem Brasil afora, e pelas quais cobram quantias que valem o quanto pesam.

Alguns desses bravos rapazes vão além - entrevistados por dignos e respeitáveis representantes de nossa íntegra imprensa, se oferecem, sem nenhum vestígio de vergonha, para futuros trabalhos extraoficiais - são empreendedores, afinal, vencedores da dificílima corrida da meritocracia.

Está tudo perfeitamente normal.

O presidente preside, os congressistas legislam, os juízes julgam, a polícia policia, os procuradores procuram.

São todos incontestáveis em suas funções, intocáveis, únicos.

E o povo vive à margem desse universo habitado por semideuses, e a tudo assiste entorpecido por anos e anos de doses maciças de ignorância, intolerância, discriminação e preconceitos.

Afinal, sem ordem não há progresso. (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…