Pular para o conteúdo principal

Recuperação do varejo ainda está distante


Se a crise política se arrasta interminavelmente, a econômica, apesar da conversa oficial, se aprofunda. Até mesmo fiadores do golpe, como as entidades empresariais, estão prestes a jogar a toalha. O presidente do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito), Roque Pellizzaro Junior, é um deles: a recuperação do varejo depende de sinais mais consistentes de melhora da empregabilidade e aumento da renda, afirmou. 


Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que o número de desempregados cresceu 2,1 pontos percentuais em um ano, passando de 11,2% para 13,3% no trimestre entre março e maio. Isso representa um contingente de 13,8 milhões de brasileiros desocupados, o pior número para o trimestre avaliado desde 2012.

Para Pellizzaro Junior, a manutenção da massa de desempregados em um nível elevado reforça a tese de que a recuperação da economia e do varejo será lenta e gradual, podendo sofrer solavancos em um cenário de instabilidade política. 

“A retomada do crescimento, quando vier, ainda demandará tempo para traduzir-se em aumento do emprego e da renda, que são os fatores que mais impactam no consumo. O fator emprego é o último componente da economia a apresentar melhora em um processo de recuperação. Isso quer dizer que, mesmo que a economia comece a se desenhar uma recuperação mais sólida, haverá ainda uma defasagem até que o emprego comece a reagir”, explica Pellizzaro Junior.

Com um grande contingente de trabalhadores em busca de recolocação profissional, a tendência, segundo ele, é de que na retomada das contratações, os salários oferecidos sejam mais baixos do que o nível que prevalecia antes da crise. “Outro fator que sai prejudicado é a produtividade do brasileiro. Afastados do mercado de trabalhado por um longo período, há uma natural perda de qualificação de mão de obra”, diz. 

Comentários

  1. Não há nada com minimo de decência, que prospere em meio a tanta bandalha.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…