Pular para o conteúdo principal

O voo dos pássaros e o comportamento dos homens


Morar numa cidade tranquila como Serra Negra, interior de São Paulo, faz com que a gente observe com muito mais atenção certas coisas que antes, na confusão da metrópole, passavam despercebidas.

O voo dos pássaros é uma delas.

Vejo, da janela do quarto que transformei num escritório, os urubus planando, com uma graça incomparável, em círculos cada vez maiores - o céu, azulíssimo, sem nenhuma nuvem, destaca seus vultos negros.

Algumas vezes o topo do edifício de frente ao meu recebeu a visita de altaneiros gaviões.
Pousados na beirada da caixa d'água, observavam, com a atenção dos predadores, tudo ao seu redor. 

Depois, se lançavam ao espaço, num voo que lembra o dos urubus, suave, com a impavidez dos fortes.


Ao contrário, as andorinhas parecem tomadas de um frenesi inexplicável. 

Dão voltas impossíveis, sobem e descem como malucas, batem as pequenas asas desesperadamente, da mesma maneira que as verdes, ruidosas e escandalosas maritacas, que surgem em bandos de manhãzinha. 

Outro dia um casal de tucanos surgiu nesse prédio da frente. 

Os dois ficaram juntos alguns minutos, depois cada um foi para uma extremidade do telhado. 

Com aqueles bicos amarelos enormes pareciam contrariar as leis da aerodinâmica quando se jogaram no ar.

Mas seu voo é fácil, parece até o dos urubus e dos gaviões.

De vez em quando aparecem pássaros estranhos, de formas bizarras, como a nos lembrar que a diversidade e complexidade da natureza são desafios constantes para o intelecto sempre curioso do homem.

Mas, por mais que tente ser original em suas conquistas, especulações e descobertas, a natureza ainda guia os passos da espécie humana.

É o caso deste Brasil de hoje, à beira de um desastre de proporções inimagináveis.

As nossas lideranças, ou aqueles a quem foi destinado cuidar dos destinos da nação, se portam tais quais os urubus, gaviões, tucanos, andorinhas, maritacas, e outros pássaros indistinguíveis aos olhos do leigo, que povoam os arredores do meu prédio.

Alguns voam em ziguezague, sem saber aonde ir; outros apenas pairam nas alturas, observando o movimento da massa ordinária e preparando suas próximas ações.

E há os que, como as corujas, preferem ficar entocados de dia para dominar a noite com seus voos velozes e pios agudos.

É a hora em que saem à caça, mortais, implacáveis, tão diferentes da imagem bonachona com que se mostram de dia. (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…