Pular para o conteúdo principal

As férias no Brasil Novo


Lá pelo fim dos anos 60, começo dos 70, do século passado, na modorrenta Jundiaí, cidade no meio do caminho entre São Paulo e Campinas, eu e minha irmã estudávamos na melhor escola particular de inglês que existia por lá, o Yázigi. 

Certo dia fomos informados que, nas férias de julho, a escola pretendia levar uma turma para passar duas semanas nos Estados Unidos, acho que em Miami, já naquela época sonho de consumo da classe média brasileira. 

Oferecia condições de pagamento facilitadas, era uma oportunidade e tanto para nós dois fazermos uma viagem da qual, certamente, nos lembraríamos pelo resto de nossas vidas.

Mas o capitão Accioly e a dona Vilma, nossos pais, frustraram os planos de passar férias nos States - uma viagem dessas estava além do orçamento da família.

Em troca, para compensar a nossa frustração, sugeriram que fôssemos visitar nossos parentes em Maceió.


Essa sim, foi uma viagem inesquecível, dois dias de ida, dois de volta, no melhor ônibus leito da época, com ar-condicionado, poltronas de veludo, um luxo só. 

Passamos um mês maravilhoso nas casas de nossa avó paterna e de um de nossos tios, que nos receberam com o todo o carinho e apreço que marcam a alma do nordestino.

Os Estados Unidos ficaram para trás, esquecidos por nós.

Grande parte dos brasileiros, porém, dorme, acorda e sonha todos os dias com esse grande país do hemisfério norte, superpotência incontestável, arrebatadora de mentes e corações de todos os viventes deste miserável planeta.

No ano passado, auge das manifestações contra a presidenta Dilma, várias fotos de pobres meninas ricas, segurando cartazes culpando os petralhas por não poderem ir mais para o mundo de fantasia criado pela The Walt Disney Company, circularam freneticamente em redes sociais e portais da internet.

Pouco mais de um ano de Brasil Novo foi o suficiente para perceber que o dólar continua ali na faixa dos R$ 3, os pacotes para visitar o paraíso não baixaram de preço, e, pesadelo dos pesadelos, nem passaportes mais estão sendo emitidos para os brasileiros que ainda têm reservas que permitam fazer viagens desse tipo.

A Polícia Federal, que tanto ajudou a derrubar o governo trabalhista, avisa que está sem dinheiro para providenciar o documento - é bem provável que tenha gastado tudo nessa perseguição sem fim ao ex-presidente Lula...

Esse, certamente, é um problema pequeno em relação a tantos outros criados para o futuro do país por esse pessoal que se apoderou do Palácio do Planalto. 

Mas não deixa de ser emblemático, já que atinge uma parcela da sociedade que apoiou entusiasticamente o golpe.

Parece pouco impedir uma viagem aos Estados Unidos.

Não tenho certeza, porém, que esse pessoal vá se contentar em passar as férias na linda Maceió ou em outro lugar maravilhoso qualquer deste Brasil que tanto odeiam. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Não. Miami não pode. Vai pro Uruguai fumar maconha, e olhe lá! Pobres coxinhas sem destino.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…