sexta-feira, 2 de junho de 2017

Agricultura faz PIB crescer, mas investimentos batem recorde negativo

Marcelo P. F. Manzano

O PIB brasileiro cresceu exatos 1% neste primeiro trimestre de 2017. Trata-se de uma boa notícia, já que vínhamos de oito trimestres de quedas consecutivas. Mas a análise pormenorizada dos números revela alguns problemas ainda bastante sérios.

Em primeiro lugar, conforme já vinha sendo antecipado pelos analistas, o refresco do PIB nestes três primeiros meses do ano deveu-se fundamentalmente ao fortíssimo avanço da produção agropecuária, a qual cresceu extraordinários 13,4% em relação ao último trimestre de 2016. Embora esse seja um dado positivo, é preciso lembrar que as atividades da agropecuária têm baixa capacidade de arrasto dos demais setores econômicos, seja porque não demandam volumes significativos de bens e serviços de maior valor agregado, seja porque empregam poucos trabalhadores, a maioria deles com baixos salários.


Já os desempenhos da produção industrial (0,9%) e do setor de serviços (0,0%) foram bem menos animadores, embora também apontem para o fim da queda livre que vínhamos assistindo desde o início de 2015. A modesta recuperação da indústria manufatureira é um fato relevante, já que esse setor representa o mais delicado e estratégico segmento da produção nacional, porém, cabe notar que seu crescimento se deu por meio da ocupação da enorme capacidade ociosa.

Por seu turno, a estagnação das atividades nos serviços, onde se concentram quase 80% dos trabalhadores ocupados no Brasil, é um indicativo bastante ruim, na medida em que não aponta para um horizonte de recuperação do mercado de trabalho capaz de reverter o grave quadro de desemprego que se alastra pelo país.

Mas é quando se observam os números do PIB trimestral pela óptica da demanda que desponta o dado mais preocupante: apesar da mencionada recuperação da indústria, os investimentos caíram 1,6% neste primeiro trimestre de 2017 em relação ao trimestre imediatamente anterior, derrubando a participação dos investimentos no PIB para 15,6%, isto é, a taxa mais baixa registrada desde 1995. 

Considerando que esse é o principal indicador do metabolismo econômico de um país –  na medida em que captura o efetivo comprometimento do setor capitalista com a expansão da capacidade produtiva nacional – resta observar que, a despeito do alívio temporário proporcionado pelas condições favoráveis à produção agrícola, a situação econômica ainda é gravíssima e assim deverá permanecer ao longo do ano. (Fundação Perseu Abramo)

3 comentários:

  1. Tecnicamente o crescimento da agricultura não mostra que ha crescimento do PIB. Mostra apenas que o PEPINO está aumentando. Favor não confundir alhos com repolhos. Continuamos atolados no chiqueiro.

    ResponderExcluir
  2. Brasil dos Trabalhistas:" 7a. Economia do Mundo". Banana Verde da presepada golpista-politico-midiatica: "lama".

    ResponderExcluir
  3. O fantasma do Planalto é de Odorico Paraguaçu: MEU CARO JORNALISTA, ISSO ME DEIXA BASTANTEMENTE ENTRISTECIDO, COM O CORAÇÃO AFOGADO NA DACEPTUDE E NO DESGOSTO. NUMA HORA EM QUE EU PROCURO ARRANCAR O AZEITE-DE-DENDÊ DO ESTÁGIO RETAGUARDISTA DO MANUFATURAMENTO (...), ME VÊM COM ESSE ACUSATÓRIO DESTABOCADO SOMENTEMENTE PORQUE MEIA DÚZIA DE BAIACUS APARECERAM MORTOS NA PRAIA.

    ResponderExcluir