Pular para o conteúdo principal

Triste país de poucas esperanças


Da mesma forma que a consumação do golpe que afastou Dilma Rousseff da Presidência da República foi um dos mais vergonhosos episódios da história do Brasil, o fim melancólico do governo golpista, apenas um ano depois de iniciado, é motivo de tristeza para quem acredita nos valores democráticos.

É óbvio que todos os que fazem parte desse governo de canalhas e corruptos, e todos os que o apoiam, não merecem outra sorte a não ser a mais severa responsabilização pelos seus crimes e o repúdio de toda a sociedade.

O motivo da consternação é outro.


É ficar sabendo, da maneira mais dura possível, que a nação foi capaz de gerar tais monstruosidades, vê-las crescer e dominar amplamente todas as instituições, alimentá-las, deixá-las conduzir a vida de milhões de pessoas, e determinar como será o futuro das próximas gerações.

Os Aécio, os Temer, os Cunha, todos esses seres ignóbeis, não surgem do nada.

Todos eles chegaram onde chegaram utilizando as ferramentas do nosso sistema social e econômico, com a ajuda de tantos outros parasitas - e o voto de milhões de analfabetos políticos. 

O Brasil é o que é, esse triste, injusto e desigual país dominado por uma oligarquia predadora, escravocrata e ignorante, por culpa de seu próprio povo, que não só permite que haja um corrupto em cada esquina, mas faz questão de criá-lo, ao adotar, como sua única lei, aquela que diz que o bom é levar vantagem em tudo.

Há muitos cidadãos honestos, há mesmo políticos e juízes e policiais e médicos e jornalistas que honram as suas profissões - há, no Brasil, milhões de pessoas que fazem jus ao título de cidadãos.

Mas elas são insuficientes para se opor à barbárie.

São incapazes de moldar o espirito de uma nação de propósitos definidos e projetos de desenvolvimento que os leve ao Primeiro Mundo, ao século 21. 

É mínima a esperança de que, a partir da implosão desse governo mafioso e seus apoiadores, surja algo novo capaz de colocar o país aos trilhos do desenvolvimento, democracia e valores éticos e morais dignos de uma sociedade avançada.

É mais provável que, das cinzas dos golpistas de 2016, resplandeça, sob os augúrios dos meios de comunicação oligopolizados e a serviço integral dos endinheirados, um salvador da pátria, um Collor redivivo, um "João" maquiado de "trabalhador" - uma fraude que complete a missão de não permitir, sob nenhuma hipótese, que o Brasil deixe de ser, eternamente, o país do futuro. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Situação complicada. O Mesóclise não pode tirar a faixa de prisidente nem pra tomar banho. Se tirar o poliça pega êle. Aí êle volta a ser vice. Da associação de moradores da papuda,porque lá o prisidente vitalício é o Marcola.Tsk, tsk, tsk.

    ResponderExcluir
  2. Pra quem quer se mijar de rir. Assista aos videos no youtube, do Gustavo Mendes imitando a Dilma.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…