Pular para o conteúdo principal

Para o Copom, a economia vai bem. E vai mal

A ata do Comitê de Política Monetária do Banco Central, que decidiu, na reunião desta quarta-feira, 31 de maio, reduzir a taxa Selic para 10,25% ao ano, reflete bem o que é este governo golpista, sem rumo, perdido, um fim de feira completo.

A explicação para a queda dos juros é um primor de banalidades e contradições.

"O conjunto dos indicadores de atividade econômica divulgados desde a última reunião do Copom permanece compatível com estabilização da economia brasileira no curto prazo e recuperação gradual ao longo do ano" - assim começa o texto. 

Até aí, tudo bem. 

O problema é que em seguida, os membros do Copom dizem outra coisa: "A manutenção, por tempo prolongado, de níveis de incerteza elevados sobre a evolução do processo de reformas e ajustes na economia pode ter impacto negativo sobre a atividade econômica."


E desandam a falar, logo depois, do cenário externo, "favorável", do comportamento da inflação, igualmente "favorável", e das previsões otimistas para as taxas de juros e câmbio.

Até que, parece, levam um banho de realidade nos parágrafos seguintes:

"Ressalta-se que, neste momento, as projeções condicionais do Copom envolvem maior grau de incerteza.

"O Comitê entende como fator de risco principal o aumento de incerteza sobre a velocidade do processo de reformas e ajustes na economia. Isso se dá tanto pela maior probabilidade de cenários que dificultem esse processo, quanto pela dificuldade de avaliação dos efeitos desses cenários sobre os determinantes da inflação."

Até que todo o otimismo anterior se transmuta em um "sei lá o que vai acontecer daqui para a frente":

"O Copom ressalta que a extensão do ciclo de flexibilização monetária dependerá, dentre outros fatores, das estimativas da taxa de juros estrutural da economia brasileira. O Comitê entende que o aumento recente da incerteza associada à evolução do processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira dificulta a queda mais célere das estimativas da taxa de juros estrutural e as torna mais incertas. Essas estimativas continuarão a ser reavaliadas pelo Comitê ao longo do tempo."

Para depois, provavelmente por causa da constatação de que estão completamente perdidos em relação ao cenário político-econômico do país, os doutos membros do Comitê decidem seguir os conselhos da vovó e tomar uma boa dose caldo de galinha, ou de cautela, que não faz mal a ninguém:

"Em função do cenário básico e do atual balanço de riscos, o Copom entende que uma redução moderada do ritmo de flexibilização monetária em relação ao ritmo adotado hoje deve se mostrar adequada em sua próxima reunião. Naturalmente, o ritmo de flexibilização continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, de possíveis reavaliações da estimativa da extensão do ciclo e das projeções e expectativas de inflação."

E assim, nas mãos de tão competentes timoneiros, o transatlântico Brasil navega celeremente em mares tão desconhecidos quanto agitados. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Sem dúvida. O essencial é que o navio foi assaltado pelos "piratas chupa verba.
    Que não param de emitir comunicados, e montar encenações pseudo conscientes. O barco tá à deriva, e êles limpando, digo,chupando tudo que podem. A ünica coisa que tem rumo, é o dinheiro afanado: paraiso fiscal.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…