Pular para o conteúdo principal

O Brasil sem os malditos petralhas


A coisa aqui tá preta - para os petralhas.

Interessante que o petralhíssimo Chico Buarque, 41 anos atrás, previa, na letra de sua Meu Caro Amigo, o clima do Brasil de hoje.

Ou, com esse verso, ele quis retratar a situação do Brasil de 1976, aquele da ditadura militar?

Pouco importa.

O fato é que, pelo andar da carruagem - ou dos SUVs -, os petralhas estão com os dias contados neste Brasil Novo das reformas e outras mutretas mais.

Em breve, muito em breve, os petralhas e congêneres farão parte do passado.

Serão apenas lembrados em parcas - ou porcas? - linhas nos livros - ou tablets - de história, histórias para boi dormir, histórias para botar medo nas criancinhas, adotados pelas escolas sem partido.

"Houve um tempo em que o Brasil era infestado por uma raça de seres malignos, os petralhas, que se divertiam roubando o povo sofrido, entrando nas mentes dos jovens, corrompendo os costumes, iludindo as pessoas com promessas impossíveis, fazendo o mal, enfim..."


Nesse Brasil Novo, livre dos malditos petralhas, tudo vai ser diferente, como disse o Rei Roberto, eterno cantor da essência da alma brasileira - é sempre bom lembrar que nem só de Chicos Buarques vive a nossa rica música popular.

Vamos ter, por exemplo, a tão almejada ordem e progresso.

Nada de baderneiros impedindo o direito constitucional de ir e vir do trabalhador.

Nada de sindicalistas para atrapalhar a negociação entre os felizes funcionários e os generosos patrões.

E a justa meritocracia finalmente será exercida em sua plenitude.

Haverá oportunidade para todos, desde que cada um saiba o seu lugar.

Nas ruas, os cidadãos de bem poderão andar tranquilamente, sem medo de violência, assaltos, roubos ou furtos, pois a polícia estará atenta, vigilante, de olho em todos os tipos suspeitos, essa gente feia que habita casebres sujos, distantes de tudo, se veste mal, fala um patoá incompreensível, e tem a pele escura.

Não haverá, tampouco, lugar para notícias ruins, que possam afetar o ânimo do povo ordeiro desse Brasil Novo. 

A Rede Globo de Televisão será o pilar emocional da nação, se encarregará de espalhar otimismo e felicidade para todos.

Terá, claro, a ajuda de outras emissoras, como a Record, que ampliará as mensagens cristãs de paz e fraternidade dos religiosos que a dirigem.

A religião terá papel fundamental no Brasil livre dos malditos petralhas.

As igrejas florescerão - haverá templos em cada esquina.

Pastores e pastoras, bispos e bispas poderão levar sua mensagem evangelizadora sem o temor de ter a sua sagrada palavra contestada pelos infiéis, os ímpios, os malditos petralhas.

E os dízimos se multiplicarão e permitirão que lindos e possantes veículos transportem com segurança e conforto os propagadores da palavra do Senhor às casas de Deus.

Nesse Brasil que se aproxima, por obra e graça de um seleto grupo de visionários, não haverá mais a discórdia entre as pessoas, e finalmente elas compreenderão que é impossível, para que a civilização evolua sem traumas, não haver pobres e ricos, excesso e escassez, senhores e vassalos.

O Brasil sem os malditos petralhas será, em suma, como sempre foi, o decantado, o sempre celebrado país do futuro. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Qual é Motta? Vai entrar no ramo dos "contos de terror? Êsse deu frio na espinha! Arreda! Valei-nos meu São Benedito!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…