Pular para o conteúdo principal

E o Brasil real vai se calando


Com a diferença de poucos dias, a música popular brasileira perdeu o cantor Jerry Adriani, um dos protagonistas da "Jovem Guarda", o cantor e compositor Belchior, autor de versos perenes, e Almir Guineto, o sambista completo. 

Estão internados outros dois notáveis artistas, Arlindo Cruz, compositor de mais de 300 sambas gravados por inúmeros cantores, inclusive ele próprio, e Luiz Melodia, um dos principais renovadores da MPB. 

Arlindo se recupera de um AVC e Melodia trata um câncer. 

2017 está sendo um ano terrível.


De um lado, uma crise econômica profunda que caminha ao lado de uma crise política, as duas prejudicando de forma aparentemente irremediável o fiapo de democracia, redução de desigualdades sociais, e projeto de nação que os governos trabalhistas aprofundaram.

De outro lado, uma crise ética e moral, com o governo central expondo as vísceras de um sistema político-partidário profundamente corrupto, Ministério Público e Justiça atuando como milícias ideológicas, e o fascismo caminhando impune em todos os cantos do país, repetindo, em ações violentas e criminosas, o modus operandi que o fez, no passado, mergulhar o mundo no caos e insanidade da guerra.

País de escassos lampejos de inteligência, que se revelam como luzes piscando em profundas trevas de ignorância e estupidez, artistas como esses que deixaram a vida ou estão, ao menos momentaneamente, incapacitados para trabalhar, fazem muita falta.

Todos, cada um ao seu modo, representam o que há de melhor no Brasil.

São a antípoda daquilo que se apresenta como oficial, esses pomposos e ridículos ministros de Estado, secretários de governo, parlamentares, autoridades "sabe com quem está falando?" a granel, doutores formados e titulados em uniesquinas, empresários semialfabetizados, jornalistas que apenas vocalizam a palavra do patrão...

Dá uma tristeza imensa ver que, aos poucos, o país vai perdendo aquilo que o mantém culturalmente coeso, essas vozes que unem compatriotas distantes milhares de quilômetros, e que ajudaram, com sua arte, a moldar a alma de um povo que mistura a ingenuidade das crianças com a criatividade dos adolescentes.

País ainda jovem em todos os sentidos, o Brasil necessita, para atingir a maturidade, que não só a obra de um Belchior, de um Guineto, ou um Adriani, seja perpetuada, mas que surjam outros artistas que sigam seus passos.

O Brasil real não pode ficar refém do Brasil oficial. (Carlos Motta)

Comentários

  1. A malandragem dos golpistas é a manjada "dividir para reinar". Enquanto houver o caos, trabalhadores x empresários, pobres x remediados, pcc x cv etc...,vão ficando à vontade para meter a mão no patrimônio e no dinheiro público. Ponte para o futuro é a p............

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…