Pular para o conteúdo principal

Diálogo, a única solução para impedir a catástrofe


A crise política, econômica e social que devasta o Brasil assumiu nestes últimos dias dimensões apocalípticas. 

A direita, patrocinadora do golpe que depôs a presidenta Dilma, e a esquerda, vítima da mais violenta perseguição jurídico-policial da história, acirraram suas posições, levando a situação a um impasse.

Interditar Lula para a disputa de 2018 - se ela houver - não significa derrotar uma candidatura progressista. 

Excluir o PT da vida política apenas retarda a recomposição das forças da esquerda.

Uma vitória da esquerda na eleição presidencial dificilmente se reverterá em mudanças significativas na sociedade - a direita, simplesmente, não deixará o governo trabalhar nesse sentido.


Não há solução para a tragédia brasileira nesse cenário de divisão entre os que odeiam a esquerda, simbolicamente representada pela sua maior liderança, Lula, e os que abominam o governo golpista e tudo o que ele representa.

A grosso modo, os dois lados congregam, cada qual, cerca de 30% da população. 

Os 40% restantes não têm lado, se inclinam para onde o vento lhes é mais favorável e são fortemente influenciados pelos meios de comunicação.

Se houvesse um mínimo de inteligência em qualquer um dos protagonistas deste drama, todos os esforços, neste momento crucial da vida brasileira, seriam no sentido de aliviar as tensões, para, em seguida, se iniciar um amplo debate sobre o que deve ser feito para que o país não mergulhe no poço sem fim da instabilidade social.

Se isso não for feito, se não houver pelo menos a tentativa de uma conversa racional entre os representantes dos dois lados, os seríssimos problemas de hoje vão se agravar a ponto de não ser nem mais possível se pensar em resolvê-los.

Dizem que o Brasil pode se transformar numa Venezuela, numa referência ao estado permanente de conflito entre os bolivarianos e a oposição.

Essa é uma suposição lógica, mas é preciso lembrar que a comparação se dá entre um país de 30 milhões de habitantes e um de 200 milhões, que tem um PIB dez vezes maior e uma dimensão continental.

Ou seja, os problemas sociais no Brasil poderão ser muito maiores que os da nação vizinha, com consequências terríveis não só para a sua população, mas para toda a América do Sul. (Carlos Motta)

Comentários

  1. E o Mesóclise diz que não sai! Mas sai sim. É só amarrar uma corda e puxar pra fora. Ou chamar o bombeiro pra jogar a rede. Pronto tá imobilizado!

    ResponderExcluir
  2. Atendendo ao pedido do prezado Motta, gostaria de apresentar minha humilde colaboração para incentivar o diálogo. Minha idéia é um projeto de lei para acabar com o deficit da previdência. É o projeto " Quem brinca com fogo, faz pipi na cama".
    Art. 1- Todo funcionário público condenado por corrupção, perderia direito à aposentadoria, e seria obrigado a devolver tudo que recebeu sob êsse título.
    Art. 2- Durante o período em que estiver cumprindo pena, poderá beber água à vontade. Porém comida, sómente um cafezinho e um pão com creibom por dia.
    Art. 3-.........
    Essa lei é casuística Risadinha? Casuismo no dos outros é refresco. Ah Ah Ah Ah!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…