Pular para o conteúdo principal

Arte é política, palco é palanque


Os artistas que vão participar do ato pró-diretas deste domingo, 4 de junho, na capital paulista, informam os jornalões, não querem a participação de representantes de partidos políticos e movimentos sociais na manifestação.

Alegam que dessa forma o movimento pode ganhar mais adesão popular, incorporando gente que acha o vermelho a cor do diabo.

No domingo passado, balões e bandeiras da CUT e PT foram vetados no ato que reuniu mais de 100 mil pessoas em Copacabana. 

Interessante essa posição dos artistas.


Inaugura uma nova forma de fazer arte, pois afinal toda arte, mesmo aquela que diga que não, carrega em si uma atitude política.

O  famosíssimo verso "uma rosa é uma rosa é uma rosa" parece, à primeira vista, a negação dessa afirmação. 

Mas ao dizer, com tanta ênfase, que uma rosa é apenas uma rosa, Gertrude Stein, a autora do verso, não estaria fazendo política, no sentido de delimitar o papel da poesia na sociedade, no caso reduzindo a definição da flor à botânica, sem levar em conta a sua associação à beleza, perfumes, alegria, ou coisa que o valha?

O termo política, como se sabe, nasceu na Grécia antiga, e foi adquirindo, ao longo dos séculos, inúmeros significados.

Hoje há política para tudo e em tudo, embora muita gente ache que ela seja tão somente a máscara que homens corruptos usam para exercer suas atividades criminosas, e ela esteja restrita aos ambientes muitas vezes insalubres de partidos, parlamentos e gabinetes atapetados e refrigerados.

O ato pró-diretas deste domingo é eminentemente político, conte ou não com artistas, queiram ou não os artistas.

Proibir quem rotineiramente faz da política uma atividade de transformação da sociedade, seja por meio de um partido, sindicato, organização de classe ou da sociedade civil, não é só uma demonstração de falta de conhecimentos históricos ou sociológicos.

É também ignorância do próprio papel do artista.

O palco, por mais mambembe que seja, é antes de mais nada, uma tribuna, que aceita qualquer tipo de manifestação, desde as mais piegas e reacionárias até as mais libertárias e vanguardistas.

Mas todas, sem exceção, políticas. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Brilhante,impecável. Que todos se manifestem.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…