Pular para o conteúdo principal

Um Congresso de canalhas. Eleito pelo povo


O pior Congresso da história do Brasil é também o mais canalha.

Tão canalha a ponto de destruir todas as conquistas sociais do povo, tudo aquilo que forja uma nação.

Os brasileiros, sem contar com a Previdência Social e sem a proteção da CLT, para ficar nos casos mais evidentes e escandalosos de assalto à cidadania, podem se equiparar aos habitantes menos afortunados da Terra, àqueles pobres coitados que vivem, ou melhor, sobrevivem, em países miseráveis da África, por exemplo.

Defender os interesses da sociedade deveria ser o básico do básico para os nossos congressistas.

São pagos, regiamente, para isso.

São, ou deveriam ser, em resumo, funcionários do povo brasileiro, eleitos para aperfeiçoar o funcionamento do Estado, elaborando propostas e projetos, e debatendo com a população o que é melhor para todos.

O que se vê no Congresso, porém, é a mais abjeta súcia, a mais baixa corja, que se poderia reunir visando espoliar tudo aquilo de bom, ou ao menos de aceitável, que se fez, durante décadas, para que o Brasil ensaiasse os primeiros passos para se tornar uma democracia.

Mas o pior de tudo, o que mais dói, é saber que esse Congresso de desclassificados morais, não nasceu por acaso, por geração espontânea.

Ele está lá por culpa exclusiva do povo brasileiro.

Ironia das ironias, ele foi eleito pelo povo brasileiro, o mesmo povo que o assiste, inerte e bovinamente, estraçalhar toda a esperança de que, um dia, se construa, nestes mais de 8 milhões de quilômetros quadrados, uma nação de verdade, onde haja justiça, igualdade de oportunidades, educação e saúde universais - e muita, mas muita democracia. (Carlos Motta)

Comentários

  1. A quadrilha internacional dos neoliberais e seus "testas de ferro nativos", se aproveitam da ingenuidade politica de nosso Povo, para assaltar. São calhordas, da pior espécie. Armados de especialistas em expropriar, estão em pleno ataque por essas bandas. Porem o sofrimento que estão causando já começa a despertar o Povo. As pesquisas mostram que já estão manjados. Resta agora por as coisas em ordem. Greve geral dia 28! Fora bandidos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…