Pular para o conteúdo principal

Os alemães, quem diria, estão se achando mais corruptos


Os alemães, quem diria, tidos como um dos povos mais ordeiros, trabalhadores, sérios e disciplinados do mundo, estão com problemas similares aos brasileiros, esses bagunceiros, preguiçosos, gaiatos e indisciplinados: uma pesquisa revelou que cresceu entre os executivos a percepção de que as práticas de suborno e corrupção são comuns no país.

A informação é do Deutsche Welle, o serviço noticioso oficial da Alemanha, que publica em seu site notícia sobre o estudo.

Felizmente para os alemães, pelo menos até agora não surgiu por lá um Sérgio Moro da vida, que acha que para acabar com a corrupção é preciso exterminar o maior partido político de esquerda das Américas e as maiores empresas brasileiras.

Os alemães, vamos concordar, não são burros.

Segue a íntegra da matéria:


Aumenta percepção da corrupção na Alemanha

Pesquisa revela que, para 43% dos executivos alemães, práticas de suborno e corrupção são comuns no país. Resultado representa um salto em relação a 2015, quando o percentual verificado foi de 26%.

Um estudo publicado nesta quarta-feira (05/04) aponta que 43% dos executivos alemães entrevistados pela empresa de auditoria e consultoria EY (Ernst & Young) dizem acreditar que o suborno e a corrupção são bastante comuns no país.

O resultado representa um grande salto em relação aos apenas 26% registrados em 2015, mas ainda fica abaixo da média de 51% registrada entre os cerca de 4,1 mil executivos entrevistados em 41 países de Europa, África, Oriente Médio e Índia.

Quase um quarto (23%) dos gerentes admitiram que agiriam de maneira "antiética" para subir na carreira ou obter salários mais altos. Aproximadamente 10% dos executivos alemães consultados não descartaram fornecer deliberativamente informações falsas a outras pessoas para impulsionar suas próprias carreiras e enriquecer.

"A fraude de emissões da Volkswagen, o escândalo de manipulação de tarifas da Libor e o conluio [ilegal] entre empresas, assim como uma série de violações de compliance têm estampado as manchetes com bastante frequência ultimamente", disse o diretor do departamento de Investigação de Fraude e Disputa de Serviços da EY, Stefan Heissner.

Ele acrescentou que regras de compliance mais rígidas, que surgiram depois de alguns dos grandes escândalos corporativos, não mudaram realmente a percepção de corrupção generalizada na Alemanha.

O estudo da EY revelou outro fator preocupante: internacionalmente – com base nos números da pesquisa global – as pessoas que são membros da "Geração Y" (idades entre 25 e 34 anos) parecem ter menos problemas em agir "antieticamente", isto é, subornar outros ou ser subornado.

Um em cada quatro dos executivos entrevistados nesta faixa etária afirmou que oferecer suborno é justificável para garantir um novo contrato lucrativo ou estender um já existente.

Entre os países avaliados, a percepção de que procedimentos controversos são um comportamento normal é maior na Ucrânia, onde 88% dos entrevistados afirmaram que a corrupção entre gerentes e diretores é generalizada. Resultados semelhantes foram atingidos no Chipre (82%), na Grécia e na Eslováquia (ambas com 81%).

No lado oposto do espectro estão os países escandinavos e a Suíça. A Dinamarca lidera a lista – apenas 6% dos executivos dinamarqueses entrevistados identificaram a corrupção como fenômeno comum no ambiente empresarial.

Comentários

  1. Na Alemanha não tem vez pra esperto. Quem se habilitar, corre risco de encarar um salsichão. Por trás e na brasa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…