Pular para o conteúdo principal

O país do sol


O PT errou, errou muito. No campo ético, errou além do que se poderia esperar. Mas aqueles que nos últimos anos vêm acusando os erros do PT nunca tiveram moral pra fazê-lo. Os fatos mostram que o pau do galinheiro de tucanos e assemelhados é sujo, é imundo. Se um dia posaram de paladinos da moral, o fizeram por hipocrisia própria e daqueles que acobertaram seletivamente os malfeitos da classe política e empresarial no Brasil.


O mesmo se pode dizer de quem conspirou para derrubar uma presidenta eleita pelo voto. O grupo que tomou o poder - mais aqueles que atuaram nos bastidores - está afundado na lama até o pescoço. Pior ainda do que isso. Planeja um país em benefício da elite econômica, do 1% da população, ao apresentar como necessárias reformas que acabam com as conquistas sociais dos trabalhadores brasileiros. É preciso aumentar a exploração do trabalho (ou a mais valia, como diria o barbudo alemão) para que o capital seja mais rentável. É para isso que foi dado um golpe na democracia. Os fatos estão na ponta dos nossos narizes.

Nesse anoitecer da democracia em um país ensolarado, surge nas pesquisas o nome do Lula como disparado favorito para vencer a eleição para a Presidência no próximo ano. Por que Lula? Porque a memória do brasileiro não é tão curta assim. Éramos felizes no governo Lula. A exceção a essa felicidade talvez se restrinja às almas infelizes e aos corações mesquinhos. Lula deixou a Presidência com mais de 80% de aprovação ao seu governo. Reconhecido no Brasil e na comunidade internacional.

Na boca da longa noite sem lua que se arma no país do golpe das elites, resiste um gosto de sol da ainda viva esperança popular. Só os tolos acreditam que tudo o que foi feito nos últimos anos, nas ruas verde-amarelas e em Curitiba, foi por causa da corrupção. As pesquisas que dão favoritismo ao Lula falam muito do que quer e pensa o tal do povo brasileiro. Não somos o país da escuridão, representado pelos ternos escuros dos homens sem luz que acinzentam o nosso céu. 

Somos o país do sol. (Mario Rocha, jornalista)

Comentários

  1. "Desesperar jamais. Aprendemos muito nesses anos...(Ivan Lins).

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…