Pular para o conteúdo principal

O corruptor, o corrupto, e o meu amigo


Anos atrás, um amigo, jornalista dos bons, criativo e empreendedor, mas que infelizmente não está mais entre nós, me telefonou para que passássemos a limpo as novidades.

Conversa vai, conversa vem, ele, que na época trabalhava como assessor da diretoria de uma grande cervejaria, se mostrou indignado com o alto nível de corrupção no Brasil - como se vê, essa história que hoje é o centro da discussão política no Brasil vem de longe.

E me contou uma historinha, da qual me recordo até hoje.

A empresa queria se expandir e buscava um local no Paraná para instalar sua nova fábrica. Mas, como todo mundo, estava atrás de algumas facilidades, isenções fiscais, essas coisas. E o seu manda-chuva resolveu ir a Brasília atrás de um deputado que lhe indicaram como sendo o homem certo para tocar o negócio.


- E lá fomos nós - disse o meu amigo. Chegamos ao escritório do deputado, entramos para falar com ele, e ele, nem bem escutou o nosso pedido já foi dizendo: "Olha, combinem tudo com o meu secretário. A gente acerta depois." Assim, na lata! É incrível como os nossos políticos são corruptos!

Foi aí, nesse momento da conversa, que interrompi esse meu meu camarada:

-Mas fulano, você não percebeu que vocês, nessa história, eram os corruptores, eram quem estavam dispostos a oferecer vantagens para o deputado facilitar as coisas para a empresa?

Depois dessa, passamos a falar de futebol.

Esse papo se deu bem antes de o Brasil virar essa republiqueta de Quinto Mundo, paraíso dos criminosos de colarinhos multicoloridos, pessoal que até outro dia atrás estava se refestelando na boa vida proporcionada pelos altíssimos salários pagos pelas ilibadas companhias em que trabalhavam.

Não sei se o meu amigo jornalista, se estivesse ainda entre nós, com tudo o que está ocorrendo, continuasse achando que só os políticos roubam e os empresários são uns coitados que têm de implorar aos nossos representantes legislativos favores para que seus negócios andem - favores que saem, como estamos vendo, muito caros.

Tenho certeza, porém, que esse meu amigo jornalista, se fosse novamente solicitado a acompanhar seu chefe numa missão dessas, arranjaria uma boa desculpa para não ir junto. 

É que ele, algumas vezes, se mostrou ingênuo, mas de burro não tinha nada. (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…