Pular para o conteúdo principal

No Brasil Novo, aposentado vai ter de trabalhar até morrer


Projeto de lei que criará o Regime Especial para o Trabalhador Aposentado (Reta) pretende facilitar a contratação de idosos com mais de 60 anos que já estão aposentados. Através do projeto, ainda em elaboração, o governo deve propor que aposentados sejam contratados por hora, sem o pagamento à Previdência Social, o FGTS e outros encargos, e sem vínculo empregatício, informa o jornal O Globo.

Assim como na direção da reforma trabalhista, valeria o negociado entre as partes (contratante e contratado). Regras gerais seriam: carga horária semanal máxima de 25 horas, limite diário de 8 horassem necessidade de escala fixa, trabalho em dias alternados ou seguidos, contratos com duração variável. Seria permitido que até 5% das vagas da empresa fossem reservadas para esse tipo de trabalhador, mas até mesmo esse percentual poderá ser rediscutido e alterado em convenção coletiva. Ainda, o projeto deve fixar que o idoso tem de ganhar o salário mínimo ou o piso da categoria.


Em tempos de reforma da Previdência, em que a população tem a sensação de que não vai conseguir se aposentar nunca pelas exigências da PEC 287/2016, o governo ainda mostra que, mesmo aqueles que se aposentarem mas cujas aposentadorias não forem suficientes para se manterem e às suas famílias, têm a possibilidade de continuar trabalhando eternamente. A precarização do acesso ao direito à Previdência Social se complementa com esse projeto.

Para a população em geral o projeto representa um risco: em um momento de crise no mercado de trabalho, é mais um incentivo para diminuir custos com a contratação de idosos aposentados e não de geração de empregos para a população como um todo. Há um risco de demissões dos funcionários e recontratação de aposentados no regime de horas, que, segundo autores do projeto, será mais barato para as empresas.

A proposta submete ainda idosos a condições diferenciadas no mercado de trabalho, mas a tendência é que, com a permissão de tais regras para os aposentados, elas possam vir a no futuro serem regulamentadas para toda a sociedade brasileira, tornando o mercado de trabalho brasileiro ainda mais precarizado. Admitem os autores da proposta que os EUA foram uma inspiração para o projeto, país em que é permitido o trabalho por hora e em que há grande precarização do mercado de trabalho. (Ana Luíza Matos de Oliveira, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

  1. A pergunta que não quer calar, é se os parlamentares que irão votar êsse "projeto", permitiriam que as mães deles trabalhassem nessas condições?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…