Pular para o conteúdo principal

Microempresário não vê futuro no Brasil Novo


Os pequenos e micros empresários jogaram a toalha, desistiram de acreditar nas promessas do Brasil Novo do Dr. Mesóclise e seu bando de picaretas: o Indicador de Confiança da Micro e Pequena Empresa atingiu 49,7 pontos em março, o que representa uma queda de 5,2% em relação a fevereiro, segundo dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). O indicador varia de zero a 100, sendo que quanto mais próximo de 100, mais otimistas estão os empresários.

O Indicador de Confiança é composto pelo Indicador de Condições Gerais e pelo Indicador de Expectativas. Por meio da avaliação das condições gerais, busca-se medir a percepção dos micro e pequenos varejistas e empresários de serviços sobre os últimos seis meses. Já através das expectativas, busca-se medir o que se espera para os próximos seis meses.


O Indicador de Condições Gerais, que avalia o retrospecto do micro e pequeno empresário sobre o desempenho de suas empresas e da economia nos últimos seis meses, caiu de 35,2 pontos para 34,4 pontos na escala, o que representa uma variação negativa de 2,3%. Como o índice segue abaixo do nível neutro de 50 pontos, significa que para a maioria dos micros e pequenos empresários a situação econômica do país e de suas empresas vem piorando com o passar do tempo.

Na abertura do indicador, tanto a avaliação regressa de seus negócios quanto para a economia, apresentaram queda. No primeiro caso, passou de 38,2 pontos para 37,4 pontos na escala. Já para o desempenho recente da economia, a mudança regrediu de 32,2 pontos para 31,5 pontos.

A maior parte (50%) dos empresários considera que a situação do seu negócio piorou nos últimos seis meses, ao passo que apenas 15% avaliam melhora dentro desse intervalo de tempo. Entre os empresários que passam por dificuldades, a maioria (66%) identificou a queda no volume de vendas como a razão da piora. Também foram mencionados o aumento dos preços de insumo, matérias primas e produtos (17%).

Para 61% dos micros e pequenos empresários o cenário econômico se deteriorou nos últimos seis meses, contra apenas 10,0% que visualizaram melhora. A principal razão do pessimismo é a percepção da gravidade da crise (30%), seguido das incertezas políticas (26%).

O Indicador de Expectativas, que serve de termômetro para avaliar o que o empresário aguarda para o futuro, também apresentou variação negativa na comparação com fevereiro, mas está acima do observado no mesmo mês do ano passado. Em março deste ano ele atingiu 61,2 pontos (em fevereiro deste ano fora 65,4 pontos; em março do ano passado estava em 56,1 pontos).

Quase a metade (48%) dos micros e pequenos empresários estão, de algum modo, confiantes com o futuro da economia brasileira. Quando essa análise detém apenas a realidade da sua empresa, o índice é maior e chega a 57% dos empresários consultados. O porcentual de pessimistas com a economia é de 20% e de 13%, quando levado em conta a situação de seus negócios.

A confiança dos empresários no desempenho da economia, entretanto, não é explicada na maior parte dos casos: quatro em cada dez (39%) empresários que se dizem confiantes para os próximos seis meses dizem não saber a razão de seu otimismo, apenas acreditam que coisas boas irão acontecer. Essa também é a principal razão para quem está otimista com o futuro de suas empresas, com 27% de citações. Entre os que estão otimistas com a economia, há também 26% de entrevistados que observam melhora no cenário macroeconômico. Entre os que vislumbram um futuro positivo para suas empresas, 24% enxergam a boa gestão do próprio negócio como um fator de estímulo.

Comentários

  1. Descobrir que o Brasil novo não tem futuro, já é um bom começo. Agora falta somar 2+2 e perguntar:"pra que então "ponte para o futuro"? Bingo! Finalmente o pato da fiesp caiu na real!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…