Pular para o conteúdo principal

Lula vencedor; Lula perdedor: qual pesquisa está certa?


Duas pesquisas divulgadas nestes dias mostram um cenário totalmente diverso para a eleição presidencial de 2018 e especificamente para o ex-presidente Lula.

Numa, feita pelo instituto Vox Populi, Lula aparece como favorito absoluto, com chances reais de liquidar a fatura já no primeiro turno.

Noutra, de responsabilidade do site Poder 360, Lula também está na frente, mas com uma rejeição que impossibilita a sua vitória num segundo turno. Nesse levantamento, as novidades são os números expressivos de intenção de voto nos fascistas Bolsonaro e Doria.

Numa situação dessas, a pergunta é inevitável: qual das pesquisas reflete com mais exatidão o sentimento do eleitor hoje?


Na verdade, qualquer resposta que se dê é a certa.

Pesquisas não são, como pretendem serem vistas, científicas, ou seja, não são exatas, pois têm componentes subjetivos que podem induzir a uma ou outra resposta.

No geral, elas acertam no atacado, mas muitas vezes erram feio no varejo.

Essas duas, por exemplo, são coincidentes quando apontam Lula em primeiro lugar, o que indica, que, se a eleição fosse hoje, o ex-presidente seria o candidato mais votado. Mas essa é a única certeza. No resto, os dois levantamentos são divergentes.

Outra verdade é que, apesar do bombardeio midiático que sofre, Lula possui um eleitorado fiel, que lhe dá, no mínimo, cerca de 20% dos votos - é com essa porcentagem que ele inicia a sua corrida pela presidência.

Historicamente, a esquerda - e mais especificamente, o PT - tem cerca de 30% dos votos, a direita raivosa antiesquerda (e anti-PT), outros 30%, e o restante dos eleitores vão de um lado para outro, dependendo de uma série de fatores.

Lula, portanto, é um candidato forte sob qualquer condição. 

Mas como, provavelmente, será impedido de concorrer, já que os lava-jatos vão se encarregar de condená-lo por qualquer coisa, o campo progressista deveria preparar com urgência um plano B, uma candidatura capaz de unir todos os que desejam ver o Brasil retomar o caminho da democracia. 

Uma missão difícil, mas não impossível. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Tá correto Motta. Porem uma coisa de politica aprendi na minha vida. Os ladrões estão sempre na tocaia. A cada oportunidade atacam com desculpas esfarrapadas. Porém o Povo Brasileiro não arreda pé de suas convicções. A midia pensa que embroma o Povo. Não. Não engana. A luta tem avanços e retrocessos, até a vitória final.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…