Pular para o conteúdo principal

Greves, protestos e tudo mais para se livrar dos golpistas


As entidades que organizam a greve geral desta sexta-feira, 28 de abril, em defesa dos direitos trabalhistas e da aposentadoria, produziram um interessante ponto a ponto de como os cidadãos podem ajudar a manifestação, reproduzido no fim deste texto.

A greve geral é necessária, assim como outros atos em repúdio às medidas para destruir o pouco do Estado de bem-estar social que os trabalhistas montaram,a muito custo, nos 13 anos em que governaram o país.

O que o Dr. Mesóclise e seu bando de picaretas estão fazendo é um crime de lesa-pátria e as suas ações deletérias vão atrasar em dezenas de anos o desenvolvimento social e econômico do Brasil.

Quanto a isso não há a menor dúvida entre as pessoas que têm dois neurônios.

Resistir, portanto, é uma necessidade. 

A questão que se coloca, porém, vai além dessa obviedade.

É sobre o método, a tática, a estratégia, dessa resistência.


Greves gerais são sempre bem-vindas, assim como todos os tipos de manifestações contrárias às medidas desse governo ilegítimo.

O problema é que tudo isso ainda é pouco para sequer abalar a marcha do retrocesso, centro da agenda dos usurpadores.

Eles já passaram do ponto de se preocupar com a opinião pública.

O Dr. Mesóclise, mostram as pesquisas, tornou-se o presidente mais rejeitado de toda a história.

Permanece no cargo porque tem de fazer o trabalho sujo para os seus patrocinadores, como bem explicou a presidenta deposta, Dilma Rousseff.

É urgente que o campo progressista deixe de lado picuinhas ideológicas, se una imediatamente e apresente ao país uma agenda que proponha soluções para a crise, mobilize ainda mais a sociedade na luta contra os golpistas, e rompa o controle midiático exercido pelos meios de comunicação oligárquicos.

A tarefa é difícil, mas é possível. (Carlos Motta)


Como ajudar a greve geral no dia 28 de abril


A não ser em caso de urgência:

- não vá a nenhum mercado,

- não vá a farmácias,

- não marque consultas para essa data,

- não vá a padarias,

- não vá a restaurantes de qualquer espécie,

- não compre nenhum móvel, eletrodomésticos, eletrônicos,

-não vá a nenhum shopping mesmo que  seja só para a praça de alimentação,

- não vá a lotéricas,

- não vá a bancos,

- não pague nenhuma conta,

- não abasteça seu carro justo nesse dia,

- não vá a academias,

- não vá a escola/faculdade ou cursos de qualquer espécie,

- não vá a açougues.

Essas coisas devem ser evitadas mesmo que você não vá trabalhar.

Comentários

  1. "Não vá ao mercado, não vá à farmacia....." e se você for um golpista, aproveita e vai pra p.........

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…