Pular para o conteúdo principal

Banco Central: fazendo tudo para que não se faça nada


Em uma sexta-feira (31 de março!) carregada de más notícias – indicador do PIB caindo 3,99%, deficit primário recorde para um mês de fevereiro, desemprego alcançando 13,2% da força de trabalho –  passou quase despercebido da imprensa brasileira – honrosa exceção à Carta Capital – que o Banco Central decretou o fim da TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo), que era utilizada nos empréstimos do BNDES ao setor produtivo. 

Sob a alegação de que, para manter a TJLP em patamares inferiores à estratosférica taxa Selic gerava-se um custo fiscal indesejável e uma distorção na política monetária (ora, mas o problema não seria então a altura da Selic?) preferiram cortar a única fonte de financiamento efetivo que se conhece no Brasil para o investimento de longo prazo.


Como, junto a essa medida, o mesmo Banco Central nos informa no seu Relatório de Estabilidade Financeira que as instituições financeiras privadas têm preferido se refugiar na liquidez dos títulos do Tesouro (grande novidade!) a emprestar dinheiro para quem quer produzir, descobrimos que, em um movimento de pinça bastante sinistro, a laboriosa oficina do dr. Ilan lança o futuro da produção e do emprego à sorte dos cálculos de curto prazo de um sistema financeiro privado que não gosta de tomar chuva nem se expor ao vento.

A depender dessa trupe, à sociedade brasileira restaram duas alternativas: aguentar a crise até que o “espírito santo” nos salve ou eleger outro governo que reconstrua as bases da estrutura de financiamento para o setor produtivo nacional. (Marcelo P. F. Manzano, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…