Pular para o conteúdo principal

A república dos alcaguetes


O delator, também conhecido popularmente como dedo-duro, alcagueta, cagueta, X-9 e informante, entre outros substantivos menos conhecidos, é um ser execrável em todas as culturas.

Ninguém neste planeta se sente à vontade entre esse tipo de gente.

Não dá para imaginar uma sociedade onde a delação é encarada como algo normal, onde se permite que os alcaguetas transitem com normalidade, onde alguém pode se meter numa tremenda encrenca porque seu vizinho conta um monte de mentiras para se vingar daquele dia em que o volume da música o incomodou.

O cagueta é, antes de tudo, um covarde.

Também, um mau caráter.

E, em resumo, por reunir inúmeros defeitos e ser, até mesmo, um elemento desestabilizador da ordem social, tudo o que um indivíduo desse tipo falar não pode ser, ao menos em princípio, levado a sério.


O dedo-duro deve sempre ser visto pelo que é: ou um doente que sente prazer em espalhar segredos, reais ou imaginários, e em apontar deslizes éticos, morais ou legais dos outros, ou simplesmente alguém que pretende levar alguma vantagem se prestando a esse papel.

O Brasil de hoje vive uma situação absurda, na qual o X-9 virou peça fundamental de uma megaoperação policial que, com o tempo, assumiu o fantástico propósito de varrer a corrupção que há séculos convive com toda a sociedade, se tornando mesmo parte fundamental de seu funcionamento.

Dessa forma, bandidos já condenados se livram de grande parte de sua pena, se, como se diz popularmente, abrirem o bico, não só contando detalhes de seus crimes, mas falando, em juízo, ou seja, para os autos do processo, aquilo que seus captores querem ouvir.

E todos sabem o que eles querem ouvir - a megaoperação se revelou apenas um pretexto para destruir o maior partido da esquerda latino-americano e sua principal liderança.

Tempos atrás publiquei no meu blog Contos do Motta uma pequena peça de ficção sobre o delator.

Não é uma obra-prima como as cantadas pelo mestre Bezerra da Silva, mas, acho, reflete um pouco essa figura abominável.


Dedo-duro


Começou cedo. 

Quando a professora quis saber quem havia soltado aquele peido estereofônico, foi o primeiro a dizer:

- Não fui eu. Foi o Zezinho.

E apontou o magricela com seu indicador pequeno e raquítico, duro e incisivo.

Ao episódio sonoro sucederam-se outros, de vários tipos e único gênero.

Certa vez falou para o pai que a Inezinha, sua irmã, passava no shopping as tardes em que deveria estar estudando.

Noutra ocasião contou para a mãe que viu o pai parar o carro na esquina e dar carona para a Betinha, a moça loira e bonita do terceiro andar.

Acostumou-se com a delação.

Fez dela um estilo de vida - cômodo, prático, eficaz.

Degrau a degrau, escalou metodicamente posições que o levaram a ser tudo o que sempre quis: viver a tranquilidade dos sem-consciência.

Era apontado pelos vizinhos como modelo a ser seguido.

Só uma vez teve as convicções abaladas.

O filho, adolescente quieto, chegou em casa com a cara inchada, a orelha amassada, o olho fechado.

- Fala quem foi que fez isso, fala de uma vez!

E o garoto quieto.

- Fala que eu entrego esse filho da puta pra polícia!

E nada, nadinha de nada, nem uma palavra.

Nunca entendeu a razão do silêncio, nem soube de nome nenhum.

Mas sempre quis apontar o filho para todos e gritar, o coração explodindo de orgulho:


- É o meu garoto, ele sabe ficar quieto!

(Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…