terça-feira, 18 de abril de 2017

A "nova classe média" virou pó


A "nova classe média", criada nos governos trabalhistas de Lula e Dilma, com a ascensão social de cerca de 40 milhões de pessoas, está virando pó rapidamente no Brasil Novo. De acordo com o Indicador de Reserva Financeira, calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), apenas 16% dos consumidores das classes C, D e E conseguiram poupar algum dinheiro em fevereiro. No total, somente 20% dos consumidores guardaram alguma quantia nesse mês - entre as classes A e B essa proporção foi maior, de 34%.


O Indicador mostra que a quantidade de consumidores que dizem não ter guardado compõe a grande maioria: nas classes A e B, 62% não conseguiram poupar em fevereiro. Quando se considera as classes C, D e E, o número sobe para 78%. No total, 74% não conseguiram poupar - no mês anterior, o percentual fora de 80%, uma diferença de 6 pontos percentuais.

Em média, aqueles que conseguiram poupar guardaram R$ 414 em fevereiro, sendo que, os consumidores das classes A e B pouparam, em média, R$ 588 enquanto os das classes C, D e E pouparam R$ 323. “A significante diferença entre os estratos de renda reflete o fato de que, entre os que ganham menos, os gastos básicos tomam uma parte maior orçamento, deixando pouca margem para a poupança”, explica Roque Pellizzaro, presidente do SPC Brasil.

Entre os consumidores que não pouparam em fevereiro, a principal justificativa foi a renda baixa, mencionada por 46% dos entrevistados. Os imprevistos foram citados por 13% e outros 13% disseram estar sem renda no momento. Além desses motivos, 8% citaram o fato de não conseguirem controlar os gastos; 7% a falta de disciplina e 4% disseram que gostam de aproveitar o presente e que guardar dinheiro não é sua prioridade.

Um comentário:

  1. Já dizia o saudoso Abelardo Chacrinha: "quem não se comunica se trumbica." Acrecento que: quem não se informa também.

    ResponderExcluir