Pular para o conteúdo principal

Um blog já incomoda muita gente


Tempos atrás, quando ainda suava sangue no trabalho incansável das redações de jornal, ouvi, de um profissional que respeito muito, uma opinião que, se na época já a julgava equivocada, hoje ela se mostra inteiramente errada:

- Blogs são como conversas de bar, não têm alcance público - disse esse eminente jornalista.

Bem, essa afirmação foi feita quando a internet ainda não atingia os milhões de brasileiros como atualmente e os blogs se assemelhavam, na sua maioria, a um diário pessoal. 

Mesmo assim, já dava para perceber o potencial que a internet, as redes sociais e os blogs tinham como ferramentas para disseminar a informação e também para ampliar os conceitos de jornalismo.


Agora são poucos os que desdenham do poder da rede - os que ousaram enfrentá-la e se agarraram ao modelo antigo soçobraram miseravelmente.

A internet não é mais o futuro da comunicação - é o presente.

E graças a ela o jornalismo, como aprendemos décadas atrás, mudou.

Imagens impactantes são veiculadas quase instantaneamente de qualquer parte do planeta.

Documentos ultrassecretos se tornam públicos num clique do mouse.

Uma frase de 140 caracteres no Twitter é capaz de abalar sólidas instituições.

Os blogs substituem os jornalões; os blogueiros são os novos jornalistas.

A cada dia a sua influência na sociedade se fortalece, a cada dia eles ganham mais leitores.

Uma estratégia de comunicação para ser eficaz não pode prescindir da internet.

E para quem almeja o poder, não basta mais ser amigo da Globo, ou da Folha, ou da Veja, ou do Estadão.

Nem espalhar frases feitas, slogans ou mensagens de ódio, por meio de robôs, na internet.

É preciso mais.

É necessário entrar na discussão proporcionada pelas redes sociais, com argumentos consistentes, e veicular informações verdadeiras.

É preciso entrar no jogo democrático, jogar com as regras da democracia, aceitar que a internet é o local de maior transparência deste mundo, e onde as mentiras são detectadas em minutos.

No Brasil essa realidade está sendo descoberta aos poucos.

O caso do juiz lava-jato que usou toda a sua imensa força contra um blogueiro é exemplar - justamente ele que vive sob os holofotes das câmeras globais.

É bem provável que o eminente jornalista que disse, tempos atrás, que um blog é tal qual uma conversa de bar, tenha mudado de opinião.

A empresa para a qual trabalha, tenho certeza, faz de tudo, hoje, para se destacar nesse botequim planetário. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Certa vez entrei no blog desse cidadão, recomendado por um amigo.Considerando que nos blogs ainda se encontra um jornalismo de qualidade, fiquei surpreso com o que vi. Na parte dos comentarios, existia uma quantidade grande de agressões e ofensas, não só ao blogueiro, como também aos demais comentaristas. Escarnios, palavrões e deboches a torto e a direito, esculachando as opiniões do autor e dos comentaristas que o apoiavam. Fico me perguntando se estamos em uma verdadeira guerra na defesa de nossa fragil democracia, pra que dar espaço aos inimigos dela? Aos repugnantes trolls.
    É democrático? Conta outra vai! Foi só uma vez e chega! Quero distância.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…