Pular para o conteúdo principal

O perfeito substituto de Serra

Uma pessoa como o senador tucano Aloysio Nunes Ferreira é tudo aquilo que o Ministério das Relações Exteriores do Brasil não precisa para ter como chefe.

Nunes Ferreira, nos últimos anos, tem se destacado pelo seu destempero verbal, truculência no trato com os adversários - que ele deve julgar ser inimigos -, e defesa intransigente da oligarquia nacional.

Fora isso, é um dissimulado, para não dizer mentiroso.

Tanto que esconde, em sua biografia oficial, o fato de que pegou em armas contra a ditadura, tendo participado ativamente da organização comandada por Carlos Marighella.

Faz parte, portanto, daquele grupo asqueroso de pessoas que não só trocam os ideais da juventude pelos prazeres da vida burguesa, como procuram esconder o seu passado, têm vergonha dele.


Mas, pensando bem, depois de o governo golpista ter nomeado José Serra para o cargo de chanceler do Brasil, esse Serra que tem-se notabilizado por um entreguismo voraz, insaciável, nada mais lógico que vê-lo substituído por um Nunes Ferreira, que até na calvície se assemelha ao seu antecessor.

Assim, a política externa brasileira de falar grosso com a Bolívia e fino com os Estados Unidos terá plena continuidade.

Em outubro de 2014 publiquei no meu antigo blog uma croniqueta sobre esse triste personagem da política contemporânea.

Para quem estiver interessado, basta clicar aqui(Carlos Motta)

Comentários

  1. O brasil delivery não pode parar: "alô, eu queria um poço de petróleo, com milkshake e batata frita...
    - Vai pagar em dinheiro ou cartão? Ah! Tem o trezentinho do tucanoboy! Já ia me esquecendo!
    Porra!
    Tudo isso?

    ResponderExcluir
  2. Ontem fiquei imaginando uma candidatura Lula, tendo como Vice o Almirante Othon. Eh, eh, eh. Daí só queria saber pra onde êsse careca vai pedir trânsferência. A Sibéria tá muito perto. Tem que ser mais longe.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…