Pular para o conteúdo principal

Os astros não mentem, Dr. Mesóclise


Séculos atrás dirigi a minúscula redação de um semanário de Campinas, o Jornal de Domingo, que tinha uma grande tiragem por ser distribuído gratuitamente.

Era um jornal de amenidades, com uma ou outra matéria mais "séria".

Pouco antes de começar a trabalhar tive uma reunião com o dono para acertarmos os ponteiros.

E, logo de cara, ele foi me dizendo da importância que a seção de horóscopo tinha - vários leitores haviam escrito reclamando de sua falta, já que a pessoa que a escrevia tinha saído do jornal.

Para resolver o problema, me comprometi a produzir eu mesmo os tais horóscopos, aliviado em saber que meu antecessor simplesmente consultava outras publicações para fazer as "previsões" que tanto agradavam os leitores.

Era o que a gente chamava de "gilete press"...

E assim lá ia eu, toda segunda-feira, tão logo chegava à salinha onde funcionava a redação, criar as pérolas da semana.


No início me apoiava nos horóscopos dos outros, mas rapidamente percebi que eles não passavam de um amontoado de frases de autoajuda.

Daí em diante dispensei as revistas e jornais e me transformei no mais otimista "astrólogo" do planeta.

Ninguém, de nenhum signo, reclamava dos meus vaticínios.

Pois bem.

Tanto tempo depois dessa minha fase de astrólogo, sinto que devo, para ajudar o país neste momento tão difícil de sua história, consultar novamente os astros para saber o destino que eles reservam ao mais alto mandatário da pátria, esse nosso preclaro Dr. Mesóclise, em cujos ombros recaem a incomensurável responsabilidade de conduzir-nos rumo a um paraíso de leite e mel.

Descubro que ele nasceu sob o signo de Libra, governado pelo planeta Vênus.

Feito isso, debruço-me nas linhas de seu mapa astral e enfronho-me nos segredos mais profundos do universo na tentativa de desvendar o futuro desse insigne personagem.

E por fim, depois de horas de trabalho e meditação, os astros finalmente me respondem, de maneira categórica, indiscutível, e, surpreendentemente, sintética.

Numa única frase resumem o futuro que aguarda o protagonista desta ópera-bufa, desta tragicomédia, em que se transformou o Brasil:

"Todo o seu esforço será recompensado com um lugar especial na lata de lixo da história."

Os astros não mentem jamais.

(Carlos Motta) 

Comentários

  1. Ah! Rah! Por isso que êle mudou. O lixo no Planalto é incinerado.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…