Pular para o conteúdo principal

Dr. Mesóclise, a piada de mau gosto


O Dr. Mesóclise é imbatível.

Não existe, em todo o registro histórico do Brasil, um presidente da República tão paspalhão e palerma - para ficar em apenas dois adjetivos - quanto ele.

A sua figura física, personificação, ao vivo e em cores, do Amigo da Onça, a imortal criação de Péricles, ajuda bastante na composição desse singular personagem.

Mas isso pouco importa.

O que distingue mesmo o Dr. Mesóclise de seus antecessores é a sua incrível capacidade de dizer e fazer bobagens - agravada pelo fato de ele ser, como gostam de frisar seus defensores, esses áulicos onipresentes, todo cheio de títulos acadêmicos e coisa e tal, o que demonstra, cabalmente, que nem sempre a educação formal é sinônimo de inteligência.


O Dr. Mesóclise, pode-se dizer, só chegou onde chegou porque no Brasil, como bem, tempos atrás, lembrou o culto Ruy Barbosa, triunfam as nulidades - ou aqueles que vivem pela Lei de Gerson, a que condiciona o sucesso à obtenção de vantagem em tudo.

Resumindo a sua carreira política, o Dr. Mesóclise prosperou graças à sua capacidade, similar a de inúmeros outros seres microscópicos, de viver nas sombras, num ambiente propício à proliferação de atos que, à luz solar, seriam imediatamente desnudados e instantaneamente dissolvidos.

Sua figura pública sempre foi medíocre.

No máximo, a corte de puxa-sacos que o rodeia exaltava a sua capacidade de articulador - seja lá o que isso signifique - e de um sujeito afável, afeito ao diálogo, e respeitoso às leis - um "constitucionalista", diziam, à boca cheia.

Elevado da condição de, como ele próprio se definiu, "vice decorativo", a presidente da República, o Dr. Mesóclise finalmente pôde se apresentar por inteiro ao povo brasileiro.

E a visão foi surpreendente pela insignificância que o personagem adquiriu, mesmo sob a mais pesada maquiagem.

O homem é um fenômeno!

Oscarito, Grande Otelo, Ankito, Costinha, Zé Trindade, grandes atores cômicos brasileiros, expoentes do estilo cinematográfico que ficou conhecido como "chanchada", ou mesmo os geniais Totó, Ugo Tognazzi, Alberto Sordi e Vittorio Gassman, astros maiores da imbatível comédia italiana, são, como dizem popularmente, fichinha perto do Dr. Mesóclise.

Antes de ser um presidente da República, ele é uma piada.

Mas uma piada, convenhamos, de extremo mau gosto. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Se fosse falar no programa do Chacrinha, o Mesóclise levava uma cornetada no meio da orelha. Fon fon! Não serve nem pra cover de cantor brega.

    ResponderExcluir
  2. Para defender a pecuária nacional, o Mesóclise foi almoçar numa churrascaria que só serve carne importada. A Katia Abreu, que já encaçapou o careca "Debi", deve estar louca pra pegar o "Loide".

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…