Pular para o conteúdo principal

Carne a jato


Interessante diálogo foi mantido entre dois jornalistas amigos, Mario Rocha e Edson Almeida, no Facebook, motivado pela polêmica arremetida da Polícia Federal nos frigoríficos nativos e baratos afins:

Mario:

Se você ler os ingredientes das embalagens de comida vendida nos supermercados e se informar como são produzidos os alimentos que comemos, saberá que nos envenenamos diariamente. Cada um come o que quer e gosta. É um direito que temos. Mas acho importante que tenhamos consciência do que ingerimos. Do quanto as grandes empresas do tal capetalismo nos envenenam com conservantes, agrotóxicos, colorantes, hormônios, aromatizantes, realçadores de sabor... a lista é enorme. A indústria dos alimentos nos envenena e a indústria farmacêutica nos cura. Uma combinação do capeta. Do capetalismo sem controle dominado pelas grandes corporações internacionais. Até onde eu posso, dou preferência a alimentos orgânicos e não industrializados. E produzidos por pequenos produtores. É uma maneira de obter alimentos mais saudáveis e combater a dominação das grandes empresas que nos impõem seus lucros em lugar de produtos saudáveis.

Edson:

Mario, tudo isso que você falou é verdade. Mas tá muito esquisita essa história da Polícia Federal atacar todas as empresas que, de uma forma ou de outra, competiam lá fora e rivalizavam com as americanas ou atuavam nos mercados de interesse dos EUA. E é interessante notar como tem corrupção em Curitiba, a pátria dos coxinhas e dos fascistas da Lava Jato.

Mario:

Edson, tenho plena convicção de que a Lava-Jato age a serviço de interesses, no mínimo, pouco transparentes. Sob uma capa de combate à corrupção, o juizeco e a turma dele aos poucos vão destruindo o maior partido político de esquerda da América Latina e as grandes empresas de capital brasileiro com atuação internacional. Uma das consequências da Lava-Jato é devolver o Brasil à sua condição de pais periférico e dependente do capetalismo mundial. Os governos petistas, apesar de todas as cagadas que fizeram ao reproduzir um sistema de corrupção já existente no país, tentaram emancipar o povão a um status de cidadania e colocar o Brasil em destaque na economia e na política planetária. A Lava-Jato, com o apoio da imprensa corporativa, é um instrumento desses interesses pouco transparentes que tem por objetivo interromper o processo de emancipação do povo e do país. A direita avança no mundo inteiro.

Comentários

  1. Diálogo cheio de sabedoria. Gostaria de acrescentar um fato intrigante. Na década de 80, estive em Curitiba, a trabalho por dois dias, e tive a mesma impressão do Edson. Tem cheiro de corrupção no ar, que me perdoem os Curitibanos. Nunca mais tive vontade de voltar lá.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…