Pular para o conteúdo principal

Boicote


A julgar pelo que se lê nas redes sociais, muita gente está disposta a boicotar a rede de fast food Habib's, apoiadora pública do golpe que trocou uma presidenta honesta por um bando de picaretas, e envolvida no assassinato de um menino de 13 anos na capital paulista.

Sou inteiramente a favor do boicote.

Aliás, já não entro nos "restaurantes" dessa rede há um bom tempo, não só pelo fato de ela ter participado intensamente do golpe, mas por ter sido pessimamente atendido em certa ocasião.

Quando a gente chega a uma determinada idade parece que a paciência, como o nosso próprio corpo, dá claros sinais de esgotamento.

Comigo aconteceu isso: a grande dose de paciência que demonstrava em outras eras se foi na mesma proporção em que praticamente todos os serviços privados e públicos acompanharam a derrocada do processo civilizatório do Brasil.

Para resumir, boicoto todo comércio ou serviço ou profissional que não me trate bem, como pessoa ou consumidor - e ostensivamente esteja do lado daqueles que querem levar o país para a Idade das Trevas.

Globo, por exemplo, não assisto há não sei quantos anos.

Não assino nenhum jornal ou revista.

Deixei de comprar na Livraria Cultura desde que ela nada fez para impedir que fascistas hostilizassem Suplicy e Haddad.

Não entro na Riachuelo por motivos mais que óbvios.

E assim vai.

Aqui mesmo, na pequena cidade de Serra Negra onde moro há três anos, deixei de ir a vários locais por esses motivos.

Sei que uma atitude isolada, ou de um grupo de pessoas, vai afetar muito pouco os negócios dessa turma.

Mas, pessoalmente, isso pouco me importa.

O passar dos anos não me deixou apenas impaciente, mas me obrigou a fazer o possível para evitar aborrecimentos.

Buscar, ao menos, a tranquilidade, a paz de espírito, é tudo o que me resta. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Aqui em minha Cidade é a mesma coisa. Parece que conseguiram padronizar o modêlo barbárie. Péssimo atendimento, acredite, chega a ser agressivo. Pra quem gosta é um prato cheio. Dou a volta pela outra rua, pra não passar em frente dessa espelunca.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…