Pular para o conteúdo principal

As histórias do Raul


Para quem não o conhece, basta dizer que Raul Drewnick é um craque da escrita, sabe todos os segredos desta caprichosa língua portuguesa. 

O Raul trabalhou por muitos anos no Estadão como revisor, inclusive da primeira página, e como cronista. 

Dizer que ele foi revisor não explica direito o que fazia no velho Estadão. Mais que impedir que o texto saísse com algum erro, Raul o burilava de tal maneira que o redator, ao ler a versão final, só não o agradecia de joelhos por pura vergonha.


Depois que saiu do Estadão Raul se dedicou 100% à literatura. É autor de inúmeros livros, e mantém um blog que é um verdadeiro tesouro, além de iluminar o Facebook com sua inteligência e fina ironia.

E como viveu os tempos áureos do Estadão, ele tem muitas histórias para contar sobre o jornalismo que se fazia no Brasil nos tempos em que a burrice, a ignorância e a canalhice não haviam invadido as redações.

Quem quiser conhecer um pouco desse jornalismo - e de seus protagonistas -, basta seguir as dicas do Raul, que publicou em seu blog dezenas de historietas imperdíveis:

Estadão no blog
Escrevi há algum tempo, no meu blog (www.rauldrewnick.blogspot.com), relatos sobre situações presenciadas por mim no Estadão e que, pela participação de importantes personagens do jornalismo, talvez possam servir, hoje ou no futuro, como fonte de informação. Se alguém se interessar por essas memórias, o procedimento é, no índice do blog (lá em cima, à esquerda), digitar duas palavras: no jornal. São mais de cinquenta pequenas histórias do tempo em que trabalhei tanto na Major Quedinho quanto na Caetano Álvares como se estivesse vendo um jogo no Parque São Jorge. No Parque São Jorge, por sinal, se passou uma história que compartilhei com Ludenbergue Góes, a quem dedico a série. Sem o Góes, eu não teria saído da revisão para a redação e não teria sido - se é que fui - cronista.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…