Pular para o conteúdo principal

A revista dos donos do Brasil agora é mensal


De uma coisa o prefeito paulistano, João Doria, não pode ser acusado: desconhecer o jogo do capitalismo, ou do "empreendedorismo", como queiram.

No frigir dos ovos, como se dizia antigamente, Doria é um espertalhão.

Filho de "bom berço", não teve de pegar muito no pesado, mas soube construir como poucos a sua carreira de empresário de egos, aproximando executivos de políticos e políticos de executivos.

Hoje tem um conglomerado de empresas que se dedicam ao mundo maravilhoso dos ricos e famosos, típicos ególatras, movidos a vaidade pura.

Nessa miríade de negócios cintilantes há até espaço para uma revista, esse meio de comunicação que anda meio sumido e que já tem lugar reservado nos bons museus mundo afora.

A publicação, como não poderia ser diferente, se chama Lide - o nome mágico que Doria escolheu para a matriz de seus inúmeros negócios.

E, coincidência ou não, apenas dois meses depois de ele ter assumido o cargo de alcaide paulistano, a Lide fica mais saidinha, mais fortinha, com a cara típica do Brasil Novo: antes bimestral, agora é mensal, avisa o press release distribuído pelo Grupo Doria, que explica a quem a publicação se destina, o "público triple A, decisor".

Já fiz a minha assinatura.

A  íntegra do material de divulgação vai na sequência.

É rir para não chorar...


Revista LIDE, principal publicação da Doria Editora, passa a circular mensalmente

A Doria Editora anuncia novidades em 2017. A revista LIDE, principal publicação, passa a ser mensal. Até o final do ano passado, a circulação ocorria a cada dois meses. Além disso, cada nova edição será acompanhada de encartes temáticos sobre varejo, empreendedorismo, marketing, saúde e agronegócio.


De acordo com Célia Pompéia, publisher da editora, a mudança reflete e se adequa às necessidades e exigências do mercado. "Hoje, a velocidade das notícias e dos negócios é ainda mais intensa e um título mensal se torna mais dinâmico", explicou. Segundo ela, a Doria Editora manterá seu foco nos assuntos de interesse de seus leitores, assim como o mesmo número de títulos, o que muda é a agilidade das informações.

"A LIDE é uma publicação destinada àqueles que se interessam pelo momento atual do país e do mundo, e desejam se atualizar com as principais tendências do mercado e dos negócios. Nossas edições são pautadas por cases de sucesso, empreendedorismo, negócios e afins. A veiculação mensal vem ao encontro da expectativa do nosso público e fortalece a interação entre as demais plataformas de comunicação, como a TV LIDE e os próprios eventos organizados pelo Grupo Doria", analisa Ana Lúcia Ventorim, diretora de Comunicação e Conteúdo.

Bia Cruz, diretora geral de Publicidade, explica que foi detectada "ótima aceitação por parte dos clientes para esta mudança. A LIDE é uma marca consolidada no mercado, voltado ao público triple A, decisor. A edição mensal permite melhor programação para as campanhas, por exemplo. E os cadernos especiais encartados na revista ganham a força da LIDE".

Com 124 páginas e tiragem de 40 mil exemplares, a primeira revista LIDE de chega às bancas de todo o país, ao preço de R$15. Ao todo foram 21 anunciantes: AUDI, CONVENTION CENTER, COPACABANA PALACE, EASY WAY, E.M.S., FÓRUM NACIONAL DO VAREJO, FÓRUM EMPRESARIAL, GJP, GALERIA BIA DORIA, GOVERNO DE GOIÁS, HAP VIDA, HOTEL DAS CATARATAS, HZ EVENTOS, PERSON OF THE YEAR, PISELLI, PRODENT, RODEIO, SAPORE, ULTRAFARMA, VIVO e TV LIDE.

A LIDE 58 trouxe destaques como uma entrevista com a executiva israelense Mia Stark, CEO da Gazit Brasil, responsável pela aquisição, desenvolvimento e administração de shopping centers. Atualmente, a empresa controla nove empreendimentos - dois fora de São Paulo. Na entrevista, Mia fala sobre seu estilo de gestão, dos desafios impostos pela crise econômica que assola o Brasil. Entrevistas, artigos, perspectivas para a economia brasileira e análises sobre a Era Trump também fazem parte da edição.

Comentários

  1. Essas revistinhas de sacanagem são totalmente sem graça. Boas mesmo, eram as do Carlos Zéfiro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…