Pular para o conteúdo principal

A ingenuidade de Dilma


A presidenta Dilma teria afirmado, na Suíça, onde foi para participar de uma série de debates e conferências, que errou ao conceder, em seu governo, desonerações de impostos para os empresários.

Segundo ela, a forte renúncia fiscal tinha como objetivo fazer com que os empresários investissem mais, porém, em vez disso, eles simplesmente aumentaram seus lucros.

Certo, esse foi um erro enorme.

Mas não de concepção, pois cortar impostos é tudo o que querem empresários e trabalhadores.

O erro foi de julgamento - julgamento do caráter, do modus operandi, dos empresários brasileiros.


Dilma e seus auxiliares foram extremamente ingênuos por suporem que estavam lidando com pessoas preocupadas com o bem-estar geral ou com a função social de seu negócio.

O empresário brasileiro vive na pré-revolução industrial.

Não tem a menor ideia do que é o capitalismo, sistema econômico que embute riscos para todos que dele fazem parte. 

Para simplificar, ele não passa de um predador, que monta um negócio com a única finalidade de extrair dele quanto mais lucro puder, no menor tempo possível, sem um pingo de ética - ou de vergonha na cara.

Só investe em condições extremamente favoráveis e apenas quando vê uma possibilidade de aumentar seus ganhos.

A desoneração fiscal promovida pelos trabalhistas foi enorme. 

A acumulação de capital por parte do empresariado foi ainda maior.

Hoje, sob o governo do Dr. Mesóclise, as coisas são bem diferentes - os espertalhões substituíram os ingênuos.

É provável que a "livre iniciativa" cabocla já esteja sentido saudade daquela "louca" que eles ajudaram a tirar da chefia do Executivo. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Abaixo a pederastia narco-neoliberal-capitalista-corrupta-entregista-golpista#%&#*##%&&%##&%#&%##%&&%*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…