Pular para o conteúdo principal

A eterna farra dos nossos parlamentares


O jornalista Luiz Gonzaga do Monte Carmelo, amigo de muitos anos, faz o seguinte comentário para uma publicação, no Facebook, de Claudia Wallin sobre a diferença abissal entre os apartamentos funcionais utilizados pelos parlamentares brasileiros e suecos: "Nossos deputados deveriam morar nos prédios do Minha Casa, Minha Vida."

Gonzaga, que escreve uma coluna para lá de interessante no jornal ABCD Maior, intitulada Os Outros Lados da História, que mostra as lutas sociais muitas vezes esquecidas pela historiografia oficial, está mais do que certo.

Mas vou além.

Nossos vereadores, deputados e senadores vivem num luxo, numa mordomia que não condiz, absolutamente, com o trabalho que desempenham - no caso deles, que deveriam desempenhar.


A maioria quase total dos parlamentares brasileiros não passaria numa prova para alunos do Ensino Médio. Muitos, nem do Fundamental.

Fora a ignorância, há o problema, maior, da ética, ou falta dela.

Ou eles defendem, desavergonhadamente, interesses corporativos - vide as bancadas do boi, da bala, da bola, dos evangélicos... -, ou se rendem aos mais variados lobbies, para ficar nos exemplos mais corriqueiros de sua atuação.

O interesse público, parafraseando o ex-técnico da seleção brasileira Carlos Alberto Parreira, é apenas um detalhe. 

E tudo isso se passa em meio a um luxo reservado a poucos neste mundo: assessores, carros, passagens de avião, moradia, tudo de graça, tudo pago por nós, os pobres, miseráveis e ordinários contribuintes.

Na minha utopia esse tipo de político faria um trabalho voluntário, ou, quando muito, remunerado de acordo com a sua atuação (comparecimento às sessões legislativas, às reuniões das comissões etc), teria o suporte de assessores técnicos do quadro de cada casa (Câmara Municipal, Assembleias Legislativas, Câmara dos Deputados e Senado), e uma ajuda fixa para viagens e moradia - e só. 

Lógico que Receita Federal e outros órgãos de fiscalização ficariam de olho bem aberto para ver se esses devotos homens públicos não receberiam algum tipo de "incentivo" por fora.

Na minha utopia a coisa funcionaria assim. 

Mas ela é apenas uma utopia, nada mais que uma utopia. (Carlos Motta)

Comentários

  1. República? Três Poderes? Ainda estamos longe disso.O que temos por enquanto é só a máquina de arrecadação. E é claro, a cachorrada faminta que se atira sobre o dinheiro público, se utilizando de inúmeros e divertidos artifícios surrupiantes.O pouquinho que retornava ao contribuinte,através de socorro aos menos favorecidos, está sendo ceifado pelos hipopotamos da burocracia, enquanto discutem se roubar assim ou assado, é feio ou bonito. Uma palhaçada.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…