Pular para o conteúdo principal

Quem será o novo Lula?


Só quem acredita em fadas, duendes e Papai Noel espera ver Lula candidato à presidência em 2018.

Seu destino já está selado, há muito, pelos golpistas: ele será apenado pelo bando curitibano por alguma coisa, seja lá o que for, e assim, ficará impedido de se candidatar.

O golpe não estará completo se tal não ocorrer - favorito disparado, imune à perseguição midiática, só resta aos seus inimigos tirá-lo da disputa, seja por que meios for, e a sua condenação é o caminho mais factível para que isso ocorra. 

Há, certamente, outros meios, como eliminar o PT da vida política nacional, ou mesmo destruir fisicamente o maior líder político da história moderna do Brasil - para os que acham essa hipótese absurda, é bom lembrar que o país está hoje nas mãos de uma quadrilha inescrupulosa, cujos métodos de ação não diferem muito dos de organizações criminosas que proliferam pelo mundo afora.

E já que a gente sabe que Lula não será candidato, quem poderia ocupar o seu lugar como aglutinador dos votos oposicionistas?


Esse é, como se dizia antigamente, o busílis, a questão chave, o grande ponto de interrogação que causa insônia em todos os que se preocupam com o futuro desta rediviva Pindorama.

Um candidato apoiado por Lula, preso ou simplesmente interditado, seria um nome forte, mas talvez não o suficiente para vencer a eleição.

O neocoronel Ciro Gomes, o homem dos mil partidos, cujo estilo fanfarrão impressiona à primeira vista, parece estar à frente de outros nesse eventual cenário da disputa presidencial. 

Gomes, entretanto, integra atualmente, e mais uma vez, uma agremiação política de porte médio, que talvez não seja capaz de dar-lhe as condições necessárias para superar os embates da desgastante corrida eleitoral.

Fora isso, há o problema de ele ser um personagem que mais desagrega que agrega, pouco disposto a criar amizades, a estabelecer diálogos - e, neste momento, nada mais é importante para a oposição que se unir.

Fora Ciro, há poucas alternativas com condições de bater nomes como a melíflua e enganadora Marina, ou o tosco, violento e fascista Bolsonaro.

Conselho, se fosse bom, diz a sabedoria popular, não se dava, mas se vendia. 

Como, porém, sou uma voz insignificante, inaudível, nesta algaravia que se tornou o discurso político brasileiro, ouso dar um conselho aos próceres oposicionistas, se é que eles realmente querem contribuir para que o Brasil safe-se da barafunda em que se meteu: esqueçam o Lula 2018, concentrem-se em achar alguém capaz de exprimir, de modo inequívoco, tudo o que ardentemente deseja grande parte da população brasileira. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Tenho minhas dúvidas se haveRÃO(só pra aporrinhar)eleições em 2018. Se não for o LULA, tem que ser alguem disfarçado de LULA.

    ResponderExcluir
  2. Sugiro a Presidente Dilma, disfarçada com boné de guerrilheira, barba postiça e codinome Fidelis Cubano Guevara. Será que os coxinhas vão desconfiar?

    ResponderExcluir
  3. Sem Lula no páreo em 2018, se impedido pelo golpistas, é porque as eleições não serão livres e democráticas. Assim, quem quer que seja o candidato alternativo de nada adiantará em um processo manietado.
    Vai se consagrando pelo lado golpista a conquista de sua "democracia" pelas baionetas.Talvez de bom alvitre fosse que as oposições começassem a pensar em suas outras alternativas. Nestas alturas do "campeonato", a democracia popular só virá como uma conquista. Jamais como dádiva dos vilipendiadores da nação.
    Não conheço exemplos da História em que um povo se libertou dos invasores, corsários e piratas, sem a força dos canhões. Infelizmente 1964 parece "fichinha" perto de onde chegamos em 2016/17. Assim como o judiciário, os milicos parecem só se preocupar com a sua previdência. Nacionalismo para eles é démodé.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…