Pular para o conteúdo principal

O que está por trás do superávit comercial?


Segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, a balança comercial de janeiro registrou um saldo positivo de US$ 2,725 bilhões, crescimento de 198% em relação ao mesmo mês do ano passado. Isso se deve ao resultado das exportações, que alcançaram US$ 14,911 bilhões e das importações, que registraram US$ 12,187 bilhões. O resultado de janeiro é o melhor para este mês desde 2006, quando a balança apresentou superávit de US$ 2,835 bilhões. Em janeiro do ano passado, o saldo comercial havia sido de US$ 915 milhões. Em uma óptica dos últimos 12 meses, ou seja, no acumulado, a balança comercial apresenta superávit de US$ 49,514 bilhões. Nessa base, as exportações totalizaram US$ 188,933 bilhões e as importações, US$ 139,420 bilhões.

Em termos percentuais, em janeiro, as exportações registraram expansão de 20,6% sobre o mesmo mês de 2016. Já em relação a dezembro, houve uma queda de 6,5%. Quanto às importações, ocorreu crescimento de 7,3% sobre janeiro de 2016 e de 5,7% sobre dezembro. Em janeiro, o resultado se deve à recuperação do preço das commodities que aumentaram as exportações em 30%. Três tipos de commodities tiverem forte crescimento dos seus preços: soja em grão, minério de ferro e petróleo bruto. Semimanufaturados, embora em menor escala, também afetaram positivamente o resultado das exportações, com aumento de 27,5%. Destaque para o açúcar bruto, aço e semimanufaturados de ferro. Manufaturados ainda apresentam um resultado aquém dos setores citados, com crescimento de 7,4% em janeiro.


As importações revelam um cenário ainda bastante conturbado pela recessão. Isso porque embora em janeiro tenha crescido, se deram em setores de compras de bens intermediários (22,8%), combustíveis e lubrificantes (15,8%) e bens de consumo (2,8%). Já no setor de bens de capital houve uma forte retração de 40,1%. Há ampla capacidade ociosa na indústria, de forma que essa queda não revela um processo, por exemplo, de substituição de importações, mas sim de contração da indústria. Em suma, o resultado “positivo” da balança comercial ainda se dá pela forte retração das importações, fruto da recessão, e uma clara dependência do setor de commodities. (Igor Rocha, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

  1. O superavit comercial que se cuide. Os doleiros do esquema Petrobras já estão soltos. Se bobear, vai parar tudo na Suiça! Essa curriola não dorme em serviço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…