Pular para o conteúdo principal

O JJ resistiu a tudo, menos ao golpe

O Jornal de Jundiaí, no qual trabalhei há décadas, é o mais importante e antigo da cidade. Sobreviveu aos vários pacotes econômicos editados pelos governos Sarney, Collor e FHC, e à recessão no governo do "Príncipe dos Sociólogos", sempre defendendo, encarniçadamente, os cânones do pré-capitalismo que grande parte dos empresários brasileiros aplica em seus negócios.

Sobreviveu a tudo isso, mas agora, parece, como outros "co-irmãos", alguns mais musculosos e velhos, como o Estadão, sente as pernas cambalearem, embora o cérebro ainda preserve todos os sinais de reacionarismo que sempre comandou as suas ações - o JJ, como é conhecido na cidade, foi um ferrenho inimigo dos governos trabalhistas de Lula e Dilma, é inimigo mortal de tudo que lembre a esquerda política, e se mostrou um dos mais entusiasmados apoiadores do golpe que colocou no poder central o Dr. Mesóclise e seu bando de picaretas.

O edital de convocação de assembleia geral extraordinária que o sindicato dos jornalista do Estado de São Paulo publica em seu site não deixa dúvida sobre que tipo de empresa é o JJ - aquela empresa que atrasa o pagamento de salários, incluindo o 13º, férias e cestas básicas, como se isso fosse a coisa mais natural do mundo.

Como tantos outros veículos de comunicação, o JJ odeia praticar aquilo que prega para os outros.

O nome disso é hipocrisia.

A seguir, a íntegra do edital do sindicato:


Edital de Convocação de Assembleia Geral Extraordinária

O presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, abaixo-assinado, no uso de suas atribuições estatutárias, convoca os jornalistas profissionais que prestam serviços na LAUDA EDITORA CONSULTORIAS E COMUNICAÇÃO LTDA, para participarem da Assembleia Geral Extraordinária, a realizar-se no dia 16 de Fevereiro de 2017, às 13h30m em primeira convocação e às 14h em segunda convocação, na frente da portaria da empresa, situada na Av. Olívio Roncoletta, n. 465, Vila Hortolândia, Jundiaí/SP, para discutir e votar a seguinte pauta:


1 – Atraso no pagamento de salários;

2 – Atraso no pagamento do décimo terceiro salário de 2016;
3 – Atraso no pagamento das cestas básicas;
4 – Não pagamento antecipado das férias;
5 – Pagamento salarial em conta não considerada como conta salário;
6 – Deflagração da greve em caso de não atendimento da pauta supra; 
7 – Autorização para o Sindicato suscitar dissídio coletivo;
8 – Outros assuntos pertinentes.

São Paulo, 8 de Fevereiro de 2017.


Paulo Leite de Moraes Zocchi

Diretor Presidente
Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo

Comentários

  1. Diz a Biblia, que a Besta do Apocalipse, será acorrentada e lançada no lago de fogo e enxôfre. Também não precisa tanto! Basta colocar em uma jaula no Zoológico de Brasília, com direito à plaquinha:"exemplar brasileiro de besta do apocalipse". Só quero ver quem vai ter coragem de colocar a ração de sorvete, dentro da jaula da besta!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…