Pular para o conteúdo principal

O desprezo dos golpistas em relação à educação


Os anos 2000 no Brasil trouxeram muitas melhorias nos indicadores sociais do país, em especial no acesso à educação. 

Quanto ao ensino superior, políticas sociais importantes foram postas em prática para ampliar o acesso à educação superior no Brasil, especialmente com os programas Prouni e Reuni e com a ampliação do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). O crescimento ocorreu mais expressivamente no Norte e Nordeste e foi notável a inclusão social promovida por tais programas, seja quanto a condições socioeconômicas, seja quanto a raça/cor.

No entanto, o governo golpista anunciou a criação de um “Novo Fies” que reduz, por exemplo, o limite do desembolso por estudante, que era de R$ 46 mil por semestre, passando para R$ 30 mil. O estudante não conseguirá financiamento para quantia acima desse por semestre.

O desprezo da gestão Temer em relação à educação se manifesta também pelo fato de que, com a aprovação da PEC 55/2016, a área sofrerá os maiores cortes potenciais, dado seu ritmo de crescimento anterior. 

Os cortes, como em relação ao Fies, colocam em risco a inclusão social e o cumprimento do Plano Nacional de Educação (PNE). (Ana Luíza Matos de Oliveira, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

  1. Pois é. Estão desvirtuando o papel do estado. Querem o deles e o resto que se dane. Claro, golpista não tem compromisso com o Cidadão. Só tem compromisso com o bolso deles.Tomaram na marra e vão arrasar o País.

    ResponderExcluir
  2. Os moradores do Mamatão se fartam de impostos e da venda de patrimônio do Povo.
    Para nós, animais da selva que os rodeia, jogam migalhas e resto de comida. Algum tempo atrás, um alto funcionário do Mamatão, foi pedir aumento de salário para o gerente( que tá na cadeia, mas ja vai sair).Observe que fazem uma tremenda confusão, pra dar (como se fosse favor), qualquer beneficio ao Povo.Já pra eles é só pedir. Pá! Pum! Concedido.Viva o Mamatão.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…