Pular para o conteúdo principal

Lula, a solução


A produção industrial brasileira caiu 6,6% no ano passado; o comércio varejista amargou queda de 6,2%; o comércio varejista ampliado, que inclui veículos, motos, partes e peças e material de construção, encolheu incríveis 8,7%; e o setor de serviços diminuiu 5,0% no ano passado. As informações são oficiais, do IBGE, e refletem o desastre que tem sido o governo golpista do Dr. Mesóclise e seu bando de picaretas.

Embora os jornalistas amestrados da área econômica façam um esforço tremendo para dizer que daqui para a frente tudo vai ser diferente, todas as palavras, frases, parágrafos e textos que escrevem devem ser incluídos na categoria de "ficção".

A economia brasileira não tem condição nenhuma de se recuperar a curto ou a médio prazos, se os golpistas insistirem nas medidas que tomaram, estão tomando e prometem tomar - ou alguém acha que empobrecer a população, destruir o setor de construção pesada e o naval, entregar a Petrobrás e por tabela a petroquímica ao estrangeiro, sucatear a saúde, restringir a educação aos endinheirados, desidratar os programas sociais, só para citar alguns exemplos mais notórios, vai atrair, como prometeram, uma fila de investidores alienígenas, com sede para, segundo diria Delfim Netto, decano dos conservadores, atirar-se ao mercado com todo o seu "instinto animal"?

O fato é que o Brasil está num atoleiro tão profundo e pegajoso que para sair dele serão necessárias mais que ações econômicas anticíclicas, que não estão no manual neoliberal profundamente ultrapassado dos golpistas, ou a troca de comando desejada por muitos, na qual se veria a saída do Dr. Mesóclise  e seu bando de picaretas e a entrada, no comando do poder central, de algum prócere ou testa-de-ferro tucano e ... seu bando de picaretas.

A recuperação, ou porque não dizer, reconstrução, do Brasil, só será possível, a médio prazo, num amplo acordo entre todos os que se digladiam, algo, evidentemente, que não ocorrerá, tal a burrice dos protagonistas da desgraça nacional.

O nome mais óbvio para comandar um processo desses, pela sua índole de negociador e seu gene de animal político, seria justamente aquele mais odiado pela chamada "elite", o ex-presidente Lula, atualmente vítima da mais feroz e ignóbil perseguição que se tem notícia na história brasileira. 

A situação do país é, portanto, paradoxal: para se salvar do naufrágio que provocaram por causa de sua estupidez e ódio de classe, os nossos prezados oligarcas teriam de dialogar justamente com o homem que elegeram como seu maior inimigo.

Lula, em que pese a opinião do juiz Moro e seus procuradores caolhos, é a chave para a pacificação e consequente recuperação econômica do Brasil. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Não sei não prezado Motta. Concordo que Lula é solução pra qualquer sociedade civilizada. Será que consegue dar jeito nessa terra de cabeças de bagre? Consegue não. É muito burro junto no mesmo lugar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…