Pular para o conteúdo principal

Do Espírito Santo para o Brasil


É preciso olhar o Espírito Santo de hoje para entender o Brasil atual e pensar o que queremos num futuro próximo. 

Até dez dias atrás, o governador do Estado, Paulo Hartung (PMDB), era celebrado como um exemplo de boa gestão. Os elogios vinham das cabeças de formação neoliberal, como em artigo do economista Marcos Lisboa (do Insper), e também durante a participação do governador em evento do banco Credit Suisse na semana passada, que contou com a presença do presidente golpista. 

Para essa turma, a Constituição de 88 é um grande problema pois leva os governos a "gastar" com investimentos sociais, elevando os custos da maquina pública. 

Nesse sentido, Hartung fez o sonhado e elogiado ajuste nas contas do Estado. Contou, para isso, com a ajuda da sua secretária da Fazenda, Ana Paula Vescovi. 

O trabalho foi considerado tão bom, que em junho do ano passado Ana Paula foi chamada pelo presidente golpista para assumir a Secretaria do Tesouro Nacional. 

Afinal, o ajuste que se pretende no Planalto segue a mesma linha ideológica daquele feito no Espírito Santo. 

Os resultados estão aí pra pra todo mundo ver. (Mario Rocha)

Comentários

  1. Pois é. Tá na cara de todo mundo. A visão tacanha desses golpistas, é que o Governo, é um País dentro do Brasil. Ou seja, eles administram as finanças do Estado como se fosse uma entidade que vive de cobrar impostos e faz um grande favor ao Cidadão por fazê-lo. Querem nos convencer, se valendo do economês, e de ridiculas mesóclises, que as contas do MAMATÃO(novo país da America do Sul)são mais importantes que a vida dos Cidadãos Brasileiros. Ora, vão se f.....

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…