Pular para o conteúdo principal

A inflação caiu. Palmas para a recessão


Dados do IBGE mostram que índice de Preços ao Consumidor - Amplo (IPCA), considerado para mensurar a inflação oficial do país, ficou em 0,38% no primeiro mês de 2017. O resultado veio abaixo do esperado e é considerado o mais baixo para janeiro da série histórica. No ano passado, para o mesmo mês, o índice havia registrado 1,27%. Em uma analise dos últimos 12 meses, a inflação aprestou desaceleração de 6,29% para 5,35%. 

A forte melhora indica que os choques referentes ao câmbio, preços administrados e de alimentos de 2015 foram superados. Em parte devido à natureza deste tipo de inflação e em parte pela forte recessão da economia. 

A despeito de baixa, a inflação quando comparada ao mês anterior apresentou aceleração em 6 dos 9 grupos que compõem o indicador. São estes, Alimentação e Bebidas; Habitação; Artigos de Residência; Despesas Pessoais; Comunicação e; Educação. 

Por outro lado, os 3 grupos que apresentaram uma variação menor em relação ao mês anterior foram: Vestuário; Transportes e; Despesas Pessoais. 

As maiores contribuições à inflação do mês foram dadas por pelas tarifas de ônibus urbano (0,07 p.p.) e ônibus intermunicipal (0,03 p.p.); alta do preço dos combustíveis, gasolina (0,03 p.p.) e etanol (0,03np.p.); Planos de Saúde (0,04 p.p.) e Emprego Doméstico (0,02p.p.).

Com a recessão econômica no país e a queda da Selic, as projeções para a inflação este ano vêm se aproximando do centro da meta de 4,5%. O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, argumenta que tal resultado é fruto de uma política monetária efetiva em conter a inflação e ancorar as expectativas. 

Essa afirmação desconsidera qualquer visão mais crível sobre as reais razões por detrás do arrefecimento da inflação. Não compreende o impacto da desvalorização de cerca de 28% do câmbio nos preços. Mais do que isso, deixa de lado o efeito da recessão sobre a inflação. O custo econômico e social de uma política monetária extremamente restritiva não foi baixo. Mas cabe esperar que com uma inflação mais baixa, o Banco Central possa agora cooperar com a retomada da economia. (Igor Rocha, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

  1. Foi pra isso que deram o golpe? Matar o povo de fome e aplaudir estatistica? Vou perguntar a um Pai de Santo, o que o espirito do Kadhaf tem a dizer sobre isso:"eh!eh! zifio! Teu rabo tá pegando fogo!"

    ResponderExcluir
  2. O paciente morreu! Mas febre êle não tem mais!!!! Comemora a equipe médica, ops, digo, econômica!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…