Pular para o conteúdo principal

A escalada autoritária do governo golpista


Quase seis meses após o golpe de Estado que destituiu o governo legítimo de Dilma Rousseff, o governo golpista de Michel Temer passa a demonstrar o seu caráter autoritário, colocando em risco a já abalada democracia brasileira. 

No dia 13/2, os jornais Folha de S.Paulo e O Globo, que apoiaram o golpe, denunciaram que estavam sofrendo censura por parte do governo federal. Por determinação da justiça de Brasília, a pedido do Palácio do Planalto, duas matérias de ambos jornais foram retiradas do ar e substituídas por tal denúncia. Ambas tratavam do episódio envolvendo um hacker e a primeira-dama Marcela Temer, no qual a mesma teria sido vítima de extorsão para não ter o conteúdo do seu celular pessoal divulgado. À época, uma força tarefa criada pelo então Secretário da Segurança Pública do Estado de São Paulo, o atual ministro licenciado da Justiça Alexandre de Moraes, prendeu o hacker em um caso que aparentava ser uma chantagem para divulgação de questões de foro íntimo. O acusado foi preso por estelionato e extorsão e condenado a cinco anos e dez meses de prisão. 


No entanto, segundo as reportagens censuradas, o hacker havia ameaçado divulgar conversas de Marcela na qual afirmava que o marqueteiro de Temer, o agora assessor da presidência Arlon Viana, é quem faria o serviço sujo do então vice-presidente. Com a retirada das matérias, coube ao The Intercept Brasil, veículo progressista e que se opôs ao golpe, reproduzir as informações censuradas. O caso demonstra que o autoritarismo de Temer não poupa nem mesmo seus apoiadores e repete um fato já ocorrido na história, recorrente em um estado de exceção: os apoiadores do golpe de 1964, incluindo a Folha e as organizações Globo, também sofreram censura durante a ditadura militar.

Outros fatos ocorridos causam apreensão. Temer esboçou enviar um projeto de lei para regulamentar o direito de greve, restringindo-o para servidores públicos. O direito de greve é uma das garantias fundamentais da Constituição oferece ao trabalhador um instrumento para melhoria de suas condições perante o patrão, seja ele um empresário ou o Estado. Não obstante, Temer colocou as Forças Armadas “à disposição de toda e qualquer hipótese de desordem nos Estados da federação brasileira”. Já são 9 mil militares enviados ao Rio de Janeiro e mais de2 mil no Espírito Santo.

Não obstante, Temer indicou Alexandre de Moraes para preencher a vaga de Teori Zavascki no Supremo Tribunal Federal. Não bastasse a escolha ser lamentável devido à falta de gabarito do indicado e do fim político de salvar seus aliados da Operação Lava-Jato, colocando um político filiado ao PSDB em um cargo na instância máxima da justiça brasileira, Moraes tem um perfil conservador. Quando secretário da Segurança Pública de São Paulo, a violência policial e a repressão contra a população só aumentaram. Além disso, Moraes possui uma postura reacionária em favor da guerra às drogas e já anunciou que deseja erradicar a maconha na América Latina.

O governo golpista censura veículos de imprensa, flerta com as Forças Armadas, quer cercear o direito de greve e indica para o Supremo Tribunal Federal alguém comprometido com o golpe. Sua agenda pretende retroceder o país em 13 anos, sacrificando as conquistas dos governos petistas que melhoraram as condições das classes trabalhadoras. Tais fatos causam espanto e dúvida sobre até quando os golpistas pretendem retroceder. (Matheus Tancredo Toledo, sociólogo/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

  1. Sem dúvida. A repressão tende a aumentar. O "boi de piranha" Eduardo Cunha, tentou pressionar os comparsas no sentido de livrá-lo do xilindró.Com a recusa do Juiz em ouvir suas insinuações, duas coisas parecem claras: 1- Nada vai acontecer com os "governantes" na lava jato. 2- O Cunha provavelmente,como castigo,será obrigado a se ajoelhar no milho, e ler a Constituição em voz alta:"todo poder emana do povo....." Resultado, vem chumbo grosso pra cima de quem reclamar do golpe. Esse filme nós ja vimos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…