Pular para o conteúdo principal

Os mentirosos que acreditam em suas mentiras


Conheci gente que não só contava um monte de mentiras, mas acreditava nelas.

No resto, essas pessoas eram iguais a todo mundo. Se não fosse pelo fato de as suas façanhas serem mais épicas que as do Barão de Munchausen elas poderiam passar por este mundo como a grande maioria de nós passa, sem chamar a atenção, naquele limbo em que vive a mediocridade.

Tem muita gente assim no mundo, e geralmente as patacoadas que saem de suas bocas são inofensivas, no máximo servem para entreter os seus ouvintes.


Não sei nada de psicologia - id, ego, superego são para mim mistérios mais profundos que a criação do universo.

Mas ouso dizer que os mentirosos que acreditam em suas mentiras são indivíduos tão inseguros que necessitam viver nesse cenário fabuloso criado por eles. 

Sem as suas fantasias, penso, eles se sentiriam uma nada, ou quase isso.

Lembrei dessas pessoas quando li a mensagem escrita pelo assassino de Campinas, um documento de um ser delirante, de alguém tão deslocado neste planeta que teve a necessidade de criar e viver num mundo de ódio.

De certa forma ele também foi um mentiroso que acreditou nas mentiras que inventou.

Só que elas não eram mentiras inocentes, pueris, simplórias, fáceis de detectar.

Não, no seu mundo de mentira não existiam meios tons, apenas verdades absolutas, o bem e o mal, anjos e demônios.

Todo o ódio exalado em seu crime foi, para ele, apenas um gesto necessário para pôr as coisas nos seus lugares naquele seu universo distorcido.

Como ele, há outros tantos mentirosos que acreditam em suas mentiras prestes a disparar suas mortíferas balas acionadas pelo ódio, preconceito e intolerância contra todos aqueles que, em seus cérebros alucinados, perturbam a ordem de seu mundo imaginário. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Não li nada a respeito. Porém já aprendi que esses crimes inexplicáveis, sem pé, nem cabeça, sempre tem cocaina na estoria. Essa droga que transforma a mente humana, na coisa mais sinistra ja vista no universo. Rezei sim, por mais essa familia destruida.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…