Pular para o conteúdo principal

Os juros caíram 0,04 ponto porcentual. Vamos festejar!

Esse pessoal que tomou conta do Brasil dando rasteira nas leis e na ética não tem a menor noção de como é o mundo real. Ou então, eles não passam de uns brincalhões, uns pândegos, a julgar pela notícia divulgada pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), segundo a qual a taxa média de juros das operações de crédito caiu entre novembro e dezembro de 2016.

A informação, espetacular, de soltar rojões, é de que o juro médio geral para pessoa física passou de 8,20% ao mês (157,47% ao ano) em novembro para 8,16% em dezembro (156,33% ao ano).

Incrível, uma queda de 0,04 ponto porcentual!


Para pessoas jurídicas, a queda foi de 0,08 ponto porcentual, de 4,82% (75,93% ao ano) em novembro para 4,74% em dezembro (74,32% ao ano).

Segundo a entidade, essa notável diminuição é resultado da redução da taxa básica de juros, a Selic, e pela expectativa de novas quedas.

Agora vai!

O povo começa a fazer filas nas lojas, nas concessionárias de veículos, todo mundo aproveitando para consumir e consumir...

Mas vamos com calma: os juros do cheque especial, em vez de caírem, subiram no período, passando de 313,63% ao ano em novembro para 314,51% ao ano em dezembro, a maior taxa desde março de 1999. 

Para compensar, no cartão de crédito, os juros passaram de 459,53% ao ano para 453,74% ano.

Os juros do crédito direito ao consumidor para financiamento de veículos ficaram estáveis, em 31,68% ao ano. Registraram quedas entre novembro e dezembro os juros do comércio (de 98,95% ao ano para 98,50% ao ano), do empréstimo pessoal de bancos (71,94% ao ano em novembro para 71,15% ao ano em dezembro) e do empréstimo pessoal por financeiras (61,79% ao ano para 160,05% ao ano).

O Brasil Novo não é uma maravilha?

Comentários

  1. Oba! Que beleza! Em primeiro lugar gostaria de parabenizar as mães desses analistas econômicos, por terem ensinado à seus filhos a nos manterem informados e otimistas com as boas noticias do mercado. Juros cair de 157% para 156% ao ano? Puta que os pariu, não consigo me conter de tanta alegria! Porem...,sem querer ser estraga festa,está faltando o desemprego melhorar na mesma proporção, pra gente ter dinheiro pra pagar a prestação. Tô errado, Motta?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…