Pular para o conteúdo principal

O pior dos mundos ... no Brasil Novo


O pior dos mundos, recessão com inflação alta, parece que está perto de ser vivido no Brasil Novo do Dr. Mesóclise e seu bando de picaretas: a inflação que serve de parâmetro para o reajuste dos preços dos aluguéis, medida pelo Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), subiu 0,35 ponto percentual na 2ª prévia de janeiro, fechando o período entre os dias 21 de dezembro e 10 de janeiro em 0,76%. Em igual período do mês anterior, a 2ª prévia de dezembro, a alta foi 0,41%.

Os dados foram divulgados pela  Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV), que esclarece que - atenção! - a alta verificada entre a 2ª prévia de dezembro e a 2ª de janeiro foi fortemente influenciada pelas variações dos preços no atacado e no varejo, uma vez que os preços da construção civil fecharam em queda entre os dois períodos.

Trocando em miúdos: vem mais aumento de preços no varejo logo mais, já que os preços no atacado subiram.


O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) apresentou variação de 0,91%, no segundo decêndio de janeiro, resultado que chega a  0,38 ponto percentual superior aos 0,53% da 2ª prévia de dezembro. Segundo a FGV, a maior pressão foi exercida pela variação dos bens finais, que passou de uma inflação negativa de 0,28% para uma alta de 0,56%. A maior contribuição para este movimento teve origem no subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de -5,49% para -0,94%.

A taxa de variação do grupo bens intermediários também exerceu pressão sobre a 2ª prévia do IGP-M, ao passar de 0,17%, em dezembro, para 0,81%, em janeiro. O destaque neste caso coube ao subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, cuja taxa passou de -1,97% para 4,77%.

O índice referente a matérias-primas brutas exerceu pressão contrária, uma vez que registrou variação de 1,4%, contra uma alta de 1,86% na prévia do mês anterior. Os itens que mais contribuíram para este movimento foram: soja (em grão) (0,88% para -3,72%), café (em grão) (-0,41% para -5,36%) e laranja (3,56% para -1,4%).

Também exercendo pressão de alta da 2ª prévia do IGP-M, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação 0,45 ponto percentual, ao passar de 0,12% para 0,57%, de uma prévia para outra.

Nos preços ao consumidor, seis das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação. A principal contribuição partiu do grupo Alimentação (0,04% para 0,69%). Nesta classe de despesa, cabe mencionar o item hortaliças e legumes, cuja taxa passou de -5,08% para 1,02%.

Também apresentaram acréscimo em suas taxas de variação os grupos: habitação (-0,57% para 0,09%), transportes (0,32% para 0,92%), educação, leitura e recreação (1,26% para 1,62%), comunicação (0,02% para 0,33%), saúde e cuidados pessoais (0,54% para 0,56%). Nestas classes de despesa, destacam-se os itens: tarifa de eletricidade residencial (-4,82% para -1,52%) e gasolina (-0,7% para 2,72%).

A exceção para a alta da 2ª prévia do IGP-M de janeiro foi o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), que apresentou, no 2º decêndio de janeiro, variação de 0,24%. No mês anterior, a taxa foi de 0,32%.

O índice relativo a materiais, equipamentos e serviços registrou variação de 0,16%, acima do resultado de dezembro, de 0,07%, mas o índice que representa o custo da mão de obra registrou taxa de variação de 0,31%, contra os 0,54% do período anterior.

Já o IBGE-15, prévia da inflação oficial, teve variação de 0,31% em janeiro e ficou 0,12 ponto percentual (p.p) acima da taxa de dezembro (0,19%). Nos últimos 12 meses, o índice acumula alta de 5,94%.

Em janeiro, embora o grupo das Despesas Pessoais tenha mostrado o resultado mais elevado (0,76%), o grupo Alimentação e Bebidas foi o principal responsável pelo crescimento do IPCA-15, ao passar de -0,18% em dezembro para 0,28% em janeiro.

Comentários

  1. O cachorro que caiu do caminhão de mudança, disse que seu problema não é nada, comparado com seu colega que caiu do Governo Dilma. Tá mais perdido que cego em tiroteio de presidio. Enquanto isso o capeta afia as pontas do tridente. O movimento na pousada do inferno vai aumentar. Em declaração recente afirmou que adora espetar bunda de presidente cascateiro.Se for mentiroso então....:"cadê os investimentos seu falador de uma figa"? E tcham, tcham e ploft...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…