Pular para o conteúdo principal

O golpe melhorou a sua vida?

A pergunta que todos deveriam fazer a si mesmos neste momento trágico da vida nacional é: no que o golpe que afastou a presidenta Dilma melhorou a minha vida?

Várias pesquisas indicam que pouquíssimos julgam o governo do Dr. Mesóclise e seu bando de picaretas bom e ótimo - a maioria o reprova.

Assim sendo, presume-se que a vida está hoje pior do que antes para a maior parte dos brasileiros, não importa a sua condição social e econômica.

Os mais pobres, se ainda não sentem integralmente as consequências dos pacotes de maldades lançados pelos usurpadores, em breve saberão, em sua plenitude, o que é o tal "Estado mínimo" apregoado como o suprassumo da modernidade.

À classe média, esse estrato que alegremente enfeitou as ruas de verde e amarelo, enfeitiçada pela propaganda contra tudo aquilo que se assemelhasse ao campo da esquerda, o governo do Dr. Mesóclise reservou surpresas que o tempo se encarregará de revelar, especialmente nas sensíveis áreas da educação, saúde, habitação, transportes - para não falar na tão sonhada aposentadoria.

O golpe tem sido amargo até para os ricos.


Não que todos eles estejam se lamentando da besteira que fizeram ao patrocinar a aventura.

Mas há muitos que hoje devem estar, se não arrependidos, ao menos fazendo as contas de quanto perderam desde que iniciaram o movimento para sabotar o governo Dilma.

As montadoras de veículos, por exemplo, que choram uma queda de 20% na venda de seus produtos no ano passado, em relação ao já fraco 2014.

Ou o presidente do Grupo Riachuelo, um dos mais entusiasmados defensores do capitalismo sem riscos, sem leis trabalhistas, sem direitos para os funcionários, sem nenhuma proteção às camadas mais vulneráveis da população.

Flávio Rocha - esse é o seu nome - chegou a dizer que, deposta Dilma, a volta dos investimentos seria instantânea.

O último balanço de sua empresa de varejo demonstrou que sua afirmação não passava de uma sandice: o lucro caiu quase pela metade!

Se a situação não está boa nem para os ricos - com exceções, sempre é bom repetir -, o que dirá dos analistas profissionais que saudaram com fogos de artifício a chegada ao poder do bando de picaretas, assegurando que eles iriam corrigir, num piscar de olhos, todos as trapalhadas e incompetências dos trabalhistas?

Um de seus luminares, o sr. Mailson da Nóbrega, aquele ministro da Fazenda que se notabilizou por elevar a inflação mensal à casa dos 80%, afirmou outro dia que "todo mundo errou sobre o pós-Dilma".

Frasista medíocre, na mesma proporção de seus atributos intelectuais, Mailson errou mais uma vez.

Nem todo mundo se enganou sobre o que viria depois da deposição da presidente Dilma. 

Inúmeros acadêmicos, jornalistas, economistas, líderes sindicais e de associações de classe, muitos, mas muitos mesmo, sabiam que os golpistas fariam o que de fato estão fazendo, que é acabar com qualquer possibilidade de o Brasil se transformar numa nação civilizada.

Apenas o sr. Mailson da Nóbrega e os de sua laia, notáveis entreguistas, venderam a ilusão de que exterminar o Estado de bem-estar social que se construía no país seria a panaceia para todos os males.

O golpe, nesse sentido, tem sido revelador, ao expor à opinião pública a imbecilidade e canalhice que muitos conseguiram camuflar até então. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Já tinha me esquecido do Cabecilson de Abobrega. Essa droga voltou. Ninguem merece! Desgraça pouca é besteira. Valhei-me meu São Benedito.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…