Pular para o conteúdo principal

O ano da (des) graça

O ano de 2017 nem começou, mas já mostra a que veio.

Se 2016 foi a desgraça que se viu, 2017 pode superá-lo em todos os quesitos: corrupção, miséria, barbárie...

Pode também, sepultar de vez a imagem do Brasil cordial, do povo amigo e fraterno, da terra plena de luz e cor, de mil belezas e um futuro alvissareiro.

A dura realidade se impõe sobre a fantasia neste início de ano.

Rebeliões sangrentas em presídios, detentos degolados, corpos queimados, cenas de horror poucas vezes vistas em qualquer lugar do mundo, mesmo naqueles onde a civilização não avançou.

Facções criminosas desafiam abertamente o poder público.

Autoridades se acovardam.

O sistema penitenciário expõe brutalmente o caos que vive.


Na maior cidade do país - uma das maiores do mundo -, o prefeito recém-eleito comporta-se como se fosse participante de um reality show televisivo.

Briga na Justiça para relaxar regras de trânsito que acabaram com mortes e reduziram drasticamente os acidentes nas maiores avenida da metrópole, as marginais dos rios Tietê e Pinheiros.

Troca as cores da cidade pelo triste cinza.

Exibe, sem pudor, e como nunca se viu, uma personalidade que mistura arrogância e megalomania, com doses generosas de irresponsabilidade e demagogia.

Na capital federal, o bando de picaretas que se apossou do poder central passa os dias se desviando de denúncias de corrupção e crimes variados que surgem com frequência espantosa, e maquinando ações para reduzir, o mais rapidamente possível, o Brasil às dimensões de uma Libéria.

E enquanto as tragédias se sucedem de norte a sul, de leste a oeste, 2017 reserva ainda um dia para que as mentes e os corações se voltem a um mais que suspeito acidente aéreo, que mata justamente o ministro do Supremo Tribunal Federal encarregado de levar adiante uma ação que envolve centenas de parlamentares e todo o bando de picaretas que habita os palácios brasilienses.

Como diz a canção, são tantas as emoções... (Carlos Motta)

Comentários

  1. Parece que Maria Mesóclise Machadão, vai colocando o Bataclan do jeito que ela gosta. E ainda elegem em São Paulo um prefeito com complexo de Bidê Lambert. Os americanos e seus dolares são ansiosamente aguardados, para a grande inauguração do puteiro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…