Pular para o conteúdo principal

Faturamento da indústria despenca


A indústria brasileira registrou queda de 9,9% no faturamento real em novembro, na comparação com o mesmo mês de 2015, e recuo de 5,5% nas horas trabalhadas na mesma comparação, segundo informou a Confederação Nacional da Indústria (CNI). 


Na comparação com outubro, houve aumento de 4,5% no faturamento e de 0,7% nas horas trabalhadas, algo perfeitamente normal e que não merece fogos de artifício, devido às encomendas de fim de ano.

Os indicadores relativos ao mercado de trabalho também são de arrancar os cabelos: o emprego recuou 0,3% na comparação com outubro, enquanto a massa salarial real caiu 2,1%, e o rendimento médio real, 1,5% para o mesmo período. A utilização da capacidade instalada ficou em 76,6%, apenas 0,1 ponto percentual acima do piso da série histórica.

Para a CNI, os números de novembro não indicam recuperação da atividade industrial. A entidade destacou que “a comparação anual dos indicadores continua a mostrar quedas expressivas”.

Logo, logo, os empresários, que tanto contribuíram para o golpe contra a presidenta Dilma, estarão gritando "fora, Temer".

Comentários

  1. Homenagem a Vicente Celestino:
    Tornei-me um ébrio e na bebida busco esquecer
    Aquela ingrata que eu amava e que me abandonou.
    Apedrejado pelas ruas vivo a sofrer.
    Não tenho lar e nem parentes, tudo terminou...
    Só nas tabernas é que encontro meu abrigo.
    Cada colega de infortúnio é um grande amigo,
    Que embora tenham, como eu, seus sofrimentos,
    Me aconselham e aliviam o meu tormento.
    Já fui feliz e recebido com nobreza. Até
    Nadava em ouro e tinha alcova de cetim
    E a cada passo um grande amigo que depunha fé,
    E nos parentes... confiava, sim!
    E hoje ao ver-me na miséria tudo vejo.....

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…