Pular para o conteúdo principal

Esquerda pode fechar com André Figueiredo para Presidência da Câmara


A eleição para a nova mesa da Câmara dos Deputados ocorrerá no próximo dia 2 de fevereiro e o mandato vai vigorar de 2017 a 2019. No dia 1º de fevereiro, os partidos têm até as 12 horas para proposição de blocos parlamentares, a serem definidos em reunião dos líderes a partir das 15 horas. O prazo de registro de candidaturas vai até as 23 horas do mesmo dia e a votação será iniciada às 9 horas do dia 2 de fevereiro, assim que houver pelo menos 257 parlamentares no Plenário. Será eleito o candidato que obtiver maioria absoluta dos votos. Se nenhum deles alcançar esse número, será realizado segundo turno entre os dois mais votados.

O atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), está dialogando com diversos partidos para amadurecer sua candidatura e trabalha para garantir sua vitória já no primeiro turno, com provável apoio de ao menos 8 partidos, além do apoio de Michel Temer e Renan Calheiros (PMDB-AL). Além de Maia, estão na disputa André figueiredo (PDT-CE, na foto), Rogério Rosso (PSD-DF) e Jovair Arantes (PTB –GO), os dois últimos disputando os votos dos partidos que integram o Centrão (grupo que reúne 13 partidos e cerca de 250 deputados).


A eleição da Câmara preocupa o Planalto. Michel Temer cancelou viagem a Davos, no Fórum Econômico Mundial, para acompanhar o processo. Temer, que publicamente não expressa seu apoio a Maia, teme que um novo nome na presidência da Câmara provoque ainda mais problemas em um momento já delicado para o governo emplacar sua agenda econômica. Maia, genro de Moreira Franco, atual secretário do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI), tem sido um importante aliado do governo nas reformas econômicas. O PMDB, portanto, não deve apresentar candidatura própria para evitar racha na base.

A dúvida fica por conta do PSDB, também integrante da base aliada, mas que já se indispõe com o governo e cogita a candidatura de Antonio Imbassahy (PSDB-BA) ou o ex-líder Carlos Sampaio (PSDB-SP).

Há duas ações no STF questionando a constitucionalidade da candidatura de Maia, uma vez que o Artigo 57 da Constituição Federal e o Regimento Interno da Casa proíbem reeleição de membros da Mesa Diretora dentro da mesma legislatura, porém a presidência de Maia foi um mandato tampão, eleito para substituir o então presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ) que teve seu mandato cassado. É possível que do ponto de vista jurídico, sua candidatura seja possível.

Apesar de ainda não ter oficializado a candidatura, Maia tem conversado com diversos partidos em busca de apoio, inclusive da oposição. O líder do DEM, Pauderney Avelino, deixou claro a parlamentares indignados com o fato de seu partido estar pedindo o apoio do PT e PCdoB à eleição de Maia que isso “não quer dizer que assuma compromissos de governar com a esquerda”, mas que fazer composição e alianças são coisas da política.

Apesar de parte da bancada do PT e PCdoB avaliar que Maia na presidência de Câmara restabeleceu a ordem e o respeito ao regimento interno da Casa, isso não significa necessariamente que os partidos votarão a favor do candidato da base governista. O objetivo da oposição é exigir a proporcionalidade de cargos na composição das mesas diretoras e comissões internas e com isso conseguir pautar uma agenda um pouco mais progressista nas votações da casa nos próximos anos. O PT, como a segunda maior bancada da Casa, reivindica o direito à 1ª Vice-Presidência ou 1ª Secretaria e ainda não definiu quem vai apoiar na disputa.

A candidatura do ex-ministro de Dilma Rousseff, André Figueiredo, do PDT-CE, partido que orientou votação contra o impeachment e ameaçou de expulsão os parlamentares que se rebelassem e votou majoritariamente contra a PEC 241 na Câmara é a menos comprometida com o governo golpista. A intenção de André Figueiredo é consolidar uma candidatura única, que agregue todos os partidos que estão no campo da oposição. As duas bancadas, do PT e do PCdoB têm reuniões no próximo dia 17 para discutir o assunto. (Vilma Bokany, socióloga/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

  1. Presidente de pocilga tem que ser um porcão daqueles bem gordos. Pelo menos lá na roça era assim. Haja ração pra alimentar o xiqueirão.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…