quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Cesta básica aumentou em todas as capitais no ano passado


Ainda bem que os jornalões nos informam que a inflação está controlada, graças aos esforços da competente equipe do Dr. Mesóclise - e não por causa da recessão...

De qualquer modo, é bom a gente ficar com um pé atrás quando a gente lê o besteirol que nos é oferecido cotidianamente pela íntegra imprensa tupiniquim.

Notícias como a de que o custo da cesta básica aumentou nas 27 capitais brasileiras no ano passado, segundo pesquisa do Dieese, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, ficam sempre escondidas. 

Não há interesse em dizer, por exemplo, que em algumas capitais os aumentos superaram em muito a inflação, como em Rio Branco (23,63%), Maceió (20,69%) e Belém (16,70%). 


O maior custo do conjunto de bens alimentícios básicos foi apurado em Porto Alegre (R$ 459,02), seguido de Florianópolis (R$ 453,80), Rio de Janeiro (443,75) e São Paulo (R$ 438,89). Os menores valores médios foram observados em Recife (R$ 347,96), Aracaju (R$ 349,68) e Natal (R$ 351,96).

Durante o ano passado, o preço médio do leite integral, feijão, arroz agulhinha, café em pó e manteiga aumentou em todas as capitais. O preço do leite integral aumentou incríveis 37,97% em Salvador. A manteiga teve variações que oscilaram entre 27,15% em Rio Branco, e 63,53% em João Pessoa. O feijão preto também registrou alta de 72,97% em Florianópolis e 85% em Vitória. O feijão carioquinha teve altas expressivas em Maceió (133,48%), Rio Branco (125,30%) e Manaus (100,37%).

O Dieese estimou que o valor do salário mínimo necessário para suprir necessidades básicas de uma família de quatro pessoas deveria ser, em dezembro, R$ 3.856,23.

Em novembro, o mínimo necessário era de R$ 3.940,41. Em dezembro, o tempo médio de trabalho necessário para adquirir os produtos da cesta básica foi de 98 horas e 59 minutos. Em novembro, foi 100 horas e 56 minutos.

Um comentário:

  1. O mesóclise em sua eterna jogação de conversa fora, vai dizer que o povo está mais magro,esbelto e com o colesterol mais baixo. Quer apostar?

    ResponderExcluir