Pular para o conteúdo principal

Brasil, ame-o ou deixe-o


Duas mulheres, acadêmicas, expressaram publicamente nesta semana o sentimento de muitos brasileiros de que o país foi tomado por um bando de corruptos, ladrões, entreguistas e picaretas da pior espécie.

As duas são Helena Nader, presidenta da Sociedade Brasileira Para o Progresso da Ciência (SBPC), e Mara Telles, professora de pós-graduação da Universidade Federal de Minas Gerais.

Para elas, como para tantos outros cidadãos, o Brasil acabou:


“Eu estou muito chateada, sabe? Estou com idade suficiente para pendurar as chuteiras. Não sei porque que eu continuo ainda lutando nesse país. Oferta de emprego no exterior, eu sempre tive. Muitas. Agora eu estou ficando cansada e estou com vontade de recomendar aos jovens: saiam deste país." (Helena Nader)


"Depois do Apocalipse de 2016 eu reduzi ao mínimo minhas expectativas sobre a qualidade moral do Brasil, dos seus políticos e dos brasileiros. Eu passei a me importar menos e a me estressar menos com as pequenas grandes fantasias noticiadas pelas imprensas. Eu passei a dar de ombros aos vizinhos que me veem todos os dias no elevador e nunca dão Bom Dia. Eu deixei de estranhar que mesmo os homens de esquerda não pagam pensão aos filhos e passei a não ver mais os moradores que inundam as ruas. Eu já nem ligo mais a News, que insiste em fingir que não vê a economia destroçada. E ao fim, eu deixei de acreditar que qualquer coisa possa em breve mudar. A gente vai se anestesiando para tentar sobreviver e não morrer de angústia. Minhas expectativas hoje são mínimas: eu atualmente toparia voltar a acreditar num país qualquer se os habitantes dele se indignassem com os mais de uma centena de pessoas massacradas, decapitadas e degoladas em presídios com o mesmo furor com o qual berraram contra uma mulher que Pedalava. Um país em que seus habitantes se indignassem furiosamente contra o genocídio de cidadãos da mesma maneira com que se revoltaram contra a Copa e a Corrupção. Mas, este povo indignado não existe e aqueles que poderiam se indignar preferem postar gatinhos ou fazer selfies bonitinhos em Passárgada, enquanto esperam o carnaval chegar. Para sobreviver no Brasil é preciso mais que siso: é preciso desistir do Brasil, é preciso acabar com qualquer expectativa positiva, para se viver nele." (Mara Telles)

Triste, muito triste...

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…